Como sei se sou Borderline, Bipolar ou Depressiva?

Tratar Borderline em São Paulo

Transtorno de Personalidade Borderline é um conjunto de comportamentos composto por grande instabilidade emocional e reações catastróficas a qualquer rompimento emocional ou sensação de abandono.

Nem toda Border sofreu abuso sexual e nem toda menina que sofreu abuso sexual desenvolve Borderline!

O termo "fronteiriço" não quer dizer limite entre um estado normal e um psicótico, quer dizer uma instabilidade constante de humor.

Sintomas do Transtorno Borderline:

  • Medo de abandono, necessidade agoniante de nunca se sentirem sozinhas, rejeitadas ou sem apoio.
  • Dificuldade de administrar emoções.
  • Impulsividade.
  • Instabilidade de humor. As Borderline têm oscilações de humor de minutos, horas, dias. Essas oscilações incluem pressões, ansiedade, irritabilidade, ciúme patológico.
  • As Borderlines dizem que se machucam, queimam, furam, cutucam por vontade de sentir dor. Elas falam que “a dor no corpo é melhor que a dor na alma".
  • Tentativas de suicídio, mais impulsivas do que planejadas.
  • Mudanças profissionais e de amizades.
  • Baixa autoestima. Se sentem desvalorizadas, incompreendidas, vazias. Não têm visão muito objetiva de si mesmas.
  • Impulsividade: idealizam pessoas, se apaixonam e desapaixonam de modo fulminante.
  • Rapidamente desenvolvem encanto e desencanto por alguém.
  • Pequenas rejeições provocam grandes tempestades emocionais.
  • Reações desproporcionais (acusações de rejeição, de abandono, de não se preocupar com as necessidades dela, de egoísmo, etc.).
  • A mistura de idealização por alguém e a extrema sensibilidade às rejeições que são a receita ideal para relacionamentos conturbados e instáveis, rompimentos e imediatamente novos relacionamentos com as mesmas idealizações.
  • Mais raramente, episódios psicóticos (se sentirem observadas, perseguidas, gozadas, comentadas).
  • Sexualidade muito aumentada. Parece que o sexo é uma maneira de garantir que não seja abandonada.

Borderline tem risco aumentado para:

  • Compras Compulsivas.
  • Sexo de risco.
  • Comer Compulsivo, Bulimia, Anorexia.
  • Depressão.
  • Ansiedade.
  • Transtorno do Pânico.
  • Abuso de substâncias.
  • Transtorno Afetivo Bipolar.
  • Outros Transtornos de Personalidade.
  • Violência (não só sexual), por causa da impulsividade e da falta de crítica para escolher parceiros.

A causa do Borderline provável é uma combinação de vários fatores:

  • Vivências traumáticas (reais ou imaginadas) na infância. Exemplos: abuso psicológico, sexual, negligência, terror psicológico, físico, separação dos pais, orfandade.
  • Vulnerabilidade individual.
  • Stress.

Cuidado com conclusões precipitadas do tipo "você foi abusada" ou "você foi aterrorizada". Não se acredita mais em "memórias reprimidas". Se a paciente não se lembra de ter sido abusada, provavelmente ela não foi abusada, mas alguns terapeutas convencem as pacientes disso.

Evolução do Transtorno Borderline:

  • Geralmente começa no final da adolescência e início da vida adulta.
    Com a idade, diminui o número de internações e tentativas de suicídio.
    Parece piada de mau gosto, mas é estatística: a cada tentativa de suicídio que a Borderline sobrevive, diminui a chance de uma nova tentativa.

Fatores de bom prognóstico de Transtorno Borderline:

  • Bons relacionamentos familiares, sociais, afetivos, profissionais.
  • Participação em atividades comunitárias, esportivas, igrejas, clubes, associações culturais, artísticas, grupos de estudo, etc.
  • Baixa ou ausente autoagressão.
  • Baixa ou ausente freqüência de tentativas de suicídio.
  • Ser casada.
  • Ter filhos.
  • Não ser promíscua.
  • Inteligência, boa capacidade de introspecção, bom raciocínio abstrato e boa capacidade de associação de idéias (vai ser muito importante na Psicoterapia.

Tratamento do Borderline:

A integração de medicamentos, psicoterapia e vida social saudável (leia acima *) traz grandes progressos no tratamento do Transtorno Borderline.

  • Medicação:

Estabilizadores de Humor, Antidepressivos e Tranquilizantes. Depende de cada paciente e também de cada momento que ela está vivendo.

Embora a medicação seja muito importante, ela é ator coadjuvante. O ator principal no tratamento é a Psicoterapia.

  • Psicoterapia:

Não é uma terapia fácil. O que acontece "na vida real" acontece dentro do consultório: instabilidade, alternância de amor e ódio, idealização e desapontamento com o terapeuta, sedução, impulsividade, etc.

Meninas com Transtorno Borderline costumam ser sedutoras, o psicoterapeuta precisa ser muito experiente.

 

Perguntas e Respostas sobre tratamento de Transtorno de Personalidade Borderline

Depoimentos de portadores de Transtorno de Personalidade Borderline