Perguntas e Respostas: 

Suicídio

1) Não tenho coragem de me abrir totalmente com minha Psicóloga.

Pergunta:

Às vezes chego a pensar em suicídio, nunca tentei, mas desde pequena tenho pensamentos desse tipo.
Há pouco tempo soube de um colega que teve uma overdose e fiquei com inveja dele, não consigo entender porque.

A minha família nem imagina que eu faço analise, e também não tenho coragem de me abrir totalmente com a minha psicóloga.

Será que eu preciso tomar algum medicamento?

Resposta:

Existem estados depressivos que começam na infância e eles podem trazer esses pensamentos suicidas.
Mas porque você não consegue se abrir totalmente com sua psicóloga?
Como ela vai poder te ajudar se não souber qual é o problema?

2) Começou a cortar-se com gilete, no braço, abdômen, pernas.

Pergunta:

19 anos, começou a cortar-se com gilete, no braço, abdômen, pernas.

Quando descobri, em junho, conversamos e ela disse-me que não tinha gosto nenhum pela vida, não sentia nada. Depois tomou 16 drágeas de Tylenol, mas avisou a uma amiga que nos avisou.

Levei-a a um psiquiatra que a medicou, mas, orientado por uma prima estudiosa em psicanálise Freud/Lacaniana suspendi os remédios e ela começou a fazer psicanálise. Senti que melhorava, já que não estava dopada e a psicanalista, que orientou a retirada dos remédios, disse-me que ela não tinha Psicose alguma, seus problemas eram interiores, nada químico.

Coisa de 5 semanas, minha filha corta o pulso, sem atingir artéria alguma, a psicanalista disse que não era nada, na mesma semana, corta-se de novo, mas não disse a ninguém e, dias após, toma 38 drágeas de Rivotril e outro remédio e, ato contínuo, corta-se novamente no pulso, sem atingir artéria, mas levou 5 pontos.

Levei-a a um novo psiquiatra que diagnosticou como TOC e já há 18 dias ela toma Zyprexa 30 mg, Fluoxetina 30 mg e Olcadil. Ela continua com essa psicanalista, mas estou sendo aconselhado a tirar.

Aos 14 anos de idade, ela tomou 6 drágeas de AAS infantil na escola, quando de minha separação. Sempre foi uma pessoa muito estudiosa, recatada, nunca namorou, gosta muito de cinema, organizada e bastante inteligente.

Fazia, até a semana passada, o 2 ano de xx.

Disse-me que não sabia se seria famosa e tinha medo de comandar nosso escritório, como sua avó havia lhe falado. Tenho plena confiança no psiquiatra que a acompanha, mas gostaria de ouvir a opinião de vocês.

Resposta:

Esses casos de auto mutilação e tentativas de suicídio são sempre complexos e difíceis de tratar.
Qualquer tentativa de suicídio precisa ser levada a sério, pois podem vir outras.
Nem sempre são manifestação de TOC ou Psicose, pode ser de uma Depressão, especialmente na adolescência e mesmo de um Transtorno de Personalidade.

O tratamento é quase sempre uma combinação de medicação e psicoterapia.

3) Tenho pensamentos constantes sobre o suicídio.

Pergunta 1:

Sou um lixo de 14 anos que não presto para nada. Nada que faço agrada alguém sou o filho do meio. O mais velho ajuda meu pai em tudo e a mais nova é a que eles (meu pai é minha mãe) mais gostam... Sei que ainda posso melhorar em alguma coisa mais até lá só vou dar desgosto para meus pais.
A única coisa que eu faço é ir para escola é ficar no PC, não sinto vontade de fazer mais nada.

Já pensei varias vezes em me matar, mas no dia seguinte a vontade já passou, meu pai diz que o único arrependimento na vida dele foi me ter como filho (ele esta certo, ele é uma pessoa boa trabalhadora que nunca deixou faltar nada para seus filhos) não sei de mais nada...

Suicídio resolveria tudo, mas não tenho coragem. Sou tão lixo para falar a verdade não sei Nem o que estou fazendo aqui

Resposta:

Leia as páginas de Depressão e Fobia Social, mostre para seus pais. Seria bom eles levarem você a um médico. Talvez você não sofra de nenhum desses problemas e precise apenas de uma Psicoterapia, mas isso vocês vão avaliar com um Psiquiatra.

Você é muito jovem, na tua idade tudo tem conserto.


Pergunta 2:

Tenho pensamentos constantes sobre o suicídio. Talvez a única coisa que tenha me impedido até agora é o medo de existir um lugar ainda pior.
Não terei filhos, isso é uma certeza.

Sou uma mulher de 19 anos. Tenho um namorado, faço faculdade, não tenho amigos, apenas colegas na faculdade com os quais me relaciono apenas quando é realmente necessário.

Meu namorado, com quem pretendo me casar, embora esteja longe de amá-lo, gostaria muito de ter um filho mas parece que já o convenci do contrário mesmo sabendo que ele será infeliz desta maneira.

Não tenho religião. Não sei se posso dizer que já tentei o suicídio. Por três vezes tentei me matar mas era muito jovem e não tinha noção do que poderia matar uma pessoa. Ninguém nunca soube de nada.

Recentemente não tenho tentado embora o desejo seja muito grande. O suicídio para mim significa o encerramento de uma coisa fracassada que por minha vontade nunca teria começado.

Ultimamente tenho estado muito sentimental, não a razão. Tudo me faz chorar e ao mesmo tempo parece que nada mais me emociona nada mais que comove.

Tenho problemas sexuais. Tenho em minha mente algumas rápidas imagens de coisas que não sei bem se aconteceram realmente. Talvez sofrido alguma experiência sexual prematura. Eu não sei.

Às vezes tenho nojo do sexo, às vezes sinto compulsão por ele.

Não ouso dizer nada disto a ninguém, nem sei se tenho algum problema psicológico ou é apenas uma neurose idiota, talvez eu esteja apenas aumentando as coisas.

Minha vida parece estar constantemente caminhando para um abismo e ao mesmo tempo parece não sair do lugar.

Preciso de ajuda! Mas quem poderia fazer isto por mim?

Resposta:

Essas ideias suicidas e as outras características de personalidade que você descreve podem fazer parte de uma Depressão ou de um desenvolvimento de personalidade baseado em fatos traumáticos, por exemplo Borderline.

Procure um profissional (Psicólogo, Psicóloga, Psiquiatra) com quem você possa conversar no mais absoluto sigilo.

© 2020 por mentalhelp