Estimulação Magnética Transcraniana e Eletrochoque, qual é mais eficiente?

Estimulação Magnética em São Paulo

Pergunta: 

Entre a Estimulação Magnética Transcraniana ou EMTr ou TMS e o Eletrochoque, qual é mais eficiente?

No caso do Eletrochoque é possível após o tratamento eliminar o medicamento?

Resposta:

A Estimulação Magnética Transcraniana ou EMTr ou TMS assim como oEletrochoque têm indicação precisa para casos refratários e ambas as técnicas tem eficácia semelhante em casos de depressão não psicótica.

A diferença é que a Estimulação Magnética Transcraniana ou EMTr ou TMS é uma técnica indolor, pois utiliza ondas magnéticas semelhantes às da Ressonância Magnética, assim, não requer anestesia e o paciente pode vir inclusive desacompanhado, pois não compromete suas funções cognitivas.

Esta é outra diferença fundamental: por se tratar de um procedimento focal (localizado no Córtex pré Frontal), não apresenta efeitos indesejáveis sobre a memória (ao contrário, a técnica tem sido associada com melhora no desempenho cerebral).

Em muitos casos com a Estimulação Magnética Transcraniana ou EMTr ou TMS é possível reduzir ou retirar a medicação, mas isso requer um acompanhamento próximo durante alguns meses (pelo menos uma vez ao mês) para fazermos manutenção e observarmos ao exame possíveis sinais de recaída.

Com o Eletrochoque isso também é virtualmente possível, embora as manutenções com o Eletrochoque costumem ser reservadas aos casos mais graves em função de ser mais invasiva.

Dr. Roni Cohen