Devo dar um tempo para ele ou continuo apoiando e conversando?

Psicoterapia em São Paulo

Pergunta:

Creio que ele esteja em depressão maior, com muita dor de cabeça e desesperança, inclusive não querendo nem falar no telefone comigo algumas vezes.

Ele diz que gosta muito de mim não se sente à minha altura neste momento. Minha dúvida é: devo dar um tempo para meu namorado ou continuo apoiando e conversando?

Ele teria condições de conversar sobre o que ele deseja no relacionamento ou não é o momento?

Resposta:

Pelo seu relato, esse namoro é recente e portanto é provável que ainda não foram estabelecidos os vínculos que fortalecem a intimidade do casal, ou seja, o quanto nos sentimos à vontade para conversar com o outro sobre questões pessoais- inclui aqui doenças- familiares, profissionais, sociais, etc.

Talvez a falta de intimidade faça-a sentir-se insegura em relação a ele.

E por Internet, não poderemos conhecer a gravidade do caso, mas poderemos afirmar que será aconselhável o respeito a esse momento, e qualquer atitude de cobrança, ele não terá condições de avaliar, tampouco de decidir.

Aguardar, manifestando apoio e compreensão será uma das melhores medidas.

Aproveite para avaliar se você o admira e se sente compromissada com ele, pois são outros aspectos muito importantes da relação, além da intimidade.

Boa sorte, Psicóloga Ivonete Garcia

 

Pergunta:

Estou me tratando com um excelente médico. Minha vida toda sempre foi uma panela de pressão que finalmente explodiu há 2 anos.

Algo estava errado. Não consigo sair de casa sem estar arrumadíssima (já fui notada por isso, elogios, mas me constrangem porque sei que me sentirei medida em valor pela aparência), sempre procuro estar aparentando felicidade, cumprimentar, ser educada e cordial, mesmo morrendo por dentro, fico horrorizada se alguém me pergunta se estou me sentindo mal ou com má aparência, cansada ou brava.

Acabo sempre sendo meio palhaça para ser aceita.

Nunca, nunca, nunca falo dos meus problemas com ninguém. Todos acham que tenho uma vida perfeita.

Os piores tempos são Natal, Ano Novo e aniversário.

Já digo de antemão que não quero nada, pois morro de medo de não ganhar, ou se esquecerem de mim, e isso quer dizer que não sou amada, que não valho a pena.

No aniversário eu sumo e não digo a ninguém, tenho horror de ganhar parabéns.

Estou sempre bem arrumada, mas é um martírio quando alguém nota e comenta, fico bestificada e propensa a não aceitar o elogio com naturalidade ou desviar a conversa.

Agora mesmo acho que estou com Depressão mais intensa, li no site, cansaço (durmo de dia), não quero fazer compras, não quero sair para minha empresa, não quero sair de casa, não quero ir à piscina, enfim, queria dormir e não acordar (como diz no site), mas não morrer, quero um tempo no nada.

É duro enfrentar cada dia, fazer o de sempre, disfarçando.

Tomei a iniciativa de me tratar, mas ninguém sabe.

Na minha família eu sou a fortaleza para onde os problemas convergem.

Não posso desmoronar.

Não quero dar trabalho para ninguém, quero ser dona de mim até o fim.

Ando chorando por nada (por filme), pensamentos tristes, culpa (de não me interagir melhor com meus filhos) e uma total falta de interesse pelo mundo.

Fico triste de na net não tem nenhuma mensagem para mim, mas não entro mais nos chats.

Estou também arrasada porque dei um basta numa amizade que me deixava muito ansiosa, porque eu via que só eu dava e não recebia de volta.

Então dei um tempo, mas sinto falta horrível desse amigo, mas ultimamente ele me trazia mais Ansiedade que alegria.

Achei que não estava sendo valorizada. Algumas pessoas são assim, conseguem reunir uma multidão em torno de si sem dar nada de muito importante para ninguém, basta ele estar lá.

Na minha fase acho que não estava bem para minha autoestima.

Mais para frente talvez eu reate quando achar que possa ter um amigo que não da muita bola, que só liga quando precisa, mas que a gente não consegue desgostar, a quem se perdoa tudo porque realmente é uma grande pessoa, enfim é amar ou odiar.

Eu o adoro, mas não posso esperar ajuda dele.

Preciso contar tudo ao meu médico e encarar uma Terapia a qual me recuso ainda, não aceito que não possa resolver sozinha meus problemas.

Mas acreditem, tem solução, eu sei que isso passa. Tenho confiança plena no meu médico e em Deus. Vou sair dessa, com a ajuda deles e da minha. Força para quem está na pior, ou melhor que eu. Você ainda vai sair dessa. Abraço para todos.

Resposta:

Eu vou torcer para você sair dessa, mas minha impressão é que você precisa mais de Psicoterapia do que de medicação. Quem vai tratar essa insegurança é a Terapia, não o medicamento.