Perguntas e Respostas: 

Tricotilomania, Mania de Arrancar Cabelo ou Cílios

1) Pelo jeito você sofre de Tricotilomania e de Picking.

Pergunta 1:

Tenho 19 anos e desconhecia totalmente a existência dessa doença, mas olha só o que me aconteceu. Quando eu tinha 12 anos tive uma professora que quando não estava fazendo nada, ela sentava em seu lugar, fixava os olhos em um ponto da parede, e começava a passar as mãos pelos cabelos, ela separava uma pequena parte do cabelo e enrolava, ou melhor ela só fazia a movimentação de enrolar, pois seus cabelos eram extremamente lisos e não ficavam enrolados de jeito nenhum.
Eu comecei a imitar essa professora por motivo de gozação, quando ela não estava na sala, eu a imitava para que os outros alunos dessem risadas.

Mas acabei adotando essa mania de verdade, e como meus cabelos eram ondulados, quando estava parada, não tirava a mão da cabeça até que toda parte estivesse bem cacheadinha.

Após um tempo já com 17 anos, e ainda com a mania de enrolar o cabelo, eu fiz uma escova progressiva que alisou meu cabelo, e como não tinha mais graça enrolar o cabelo, pois não ficava os cachinhos, parei por um tempo com essa mania, e então com os cabelos lisos, descobri prazer em ficar puxando os fios (sem arrancar da cabeça), e principalmente em procurar pontas duplas, triplas, etc.

E quando encontrava essas pontas, rasgava o fio do cabelo no meio até quebrar em algum lugar, uma amiga um dia viu, e me disse que se eu ficasse rasgando ia deixar os fios mais finos e fracos que já eram. Então, parei de rasgar, e comecei a quebrar o fio na parte em que ele se divide, ou está semi-quebrado.

Quando a progressiva saiu do cabelo, meu cabelo voltou sem forma de cachos, e mesmo assim as vezes eu enrolava o cabelo sem sucesso, pois não tinha o resultado desejado. E desde então, a minha mania é ficar o tempo todo com a mão no cabelo, enrolando, mexendo ou arrancando ponta dupla.

A minha vida inteira está assim, independentemente de onde eu esteja, não paro quieta um minuto, se paro para pensar em algo... Alguma coisa eu tenho que fazer com as mãos, de vez em quando me pego fazendo uma ou outra mania, como por exemplo: faço um nó no cabelo deixando-o como um coque, mas nunca deixo ele com esse coque, pois vou puxando uns fios do preso até que ele se desmanche totalmente para mim refazer o coque.

Se estiver com o cabelo preso, vou desprendendo aos poucos, prendo de novo, desprendo, prendo de outro jeito, etc.

Roo as unhas constantemente quando estou assistindo novela ou filme, ou quando quebra ou lasca um pedacinho. E quando minhas unhas dos pés estão moles e úmidas por causa do tênis, praticamente corto todas elas com minhas próprias mãos, arranco elas até doer ou ficar feias, a do dedinho eu arranco inteira, já que é pequena.

Estralo os dedos das mãos constantemente, e também os dedos dos pés, se no mesmo momento estiverem ao meu alcance.

Quando tenho algum cravo, espinha, alergia, ou qualquer bolinha na pele, cutuco até sangrar ou cansar. Também pego uns pedacinhos bem ressecados do cabelo e estralo os fios, pois faz alguns barulhos como se estivesse matando piolho.

Enfim, a maior parte do meu tempo durante o dia, eu passo com a mão no cabelo, sempre fazendo alguma coisa. Esse ano, comecei a fazer um curso de graduação na parte da manhã, e minha mania se agravou, já que passo um bom tempo sentada, só escutando. Fico o tempo todo concentrada tirando todas as pontas duplas do cabelo.

E quando estou em casa, tiro ponta dupla do meu cabelo sempre que estou sem fazer nada. Quando estou tentando estudar alguma matéria ou fazendo alguma tarefa ou trabalho da faculdade ou até mesmo quando estou navegando na internet, paro várias vezes o que estou fazendo para mexer no cabelo, as vezes enrolo ou estralo algumas mechas, as vezes faço um coque, ou prendo e desprendo o cabelo.

Mas o que mais me atrapalha é o fato de não conseguir ficar sem tirar ponta dupla nas aulas da faculdade, pois não estou prestando atenção nas aulas e nem aprendendo nada.

Eu moro numa república de meninas, e uma amiga que de tanto me ver tirando as pontas duplas do cabelo, também começou a fazer a mesma coisa. Mas ela faz raramente, eu que sou mais compulsiva.

Sempre quando percebemos que estamos fazendo isso, uma chama a atenção da outra para parar. Foi ontem que ela comentou comigo, que essa mania de arrancar os cabelos da cabeça é uma doença, e eu nunca tinha escutado nada sobre isso, achei muito estranho o ato de arrancar o fio pela raiz do couro, e chegar ao ponto de uma pessoa ficar até careca.

Mas olha como eu achei estranho... hoje mexendo no cabelo, encontrei alguns fios mais grossos e crespos bem na parte do redemoinho, e comecei a arrancá-los da raiz, pois estava me incomodando passar a mão naqueles fios enrugados.

Arranquei vários, mas deu para sentir que eu não tirei alguns pela raiz, e sim quebraram pertinho da raiz. Quando minha amiga viu o que eu estava fazendo, ficou muito brava comigo, e me disse que essa história de doença não era mentira, e me mandou pesquisar na internet.

Então encontrei esse site, e li vários comentários. Não quero arrancar meus fios pela raiz, e perder todo meu cabelo, já sofro tanto com minhas unhas dos pés que são horríveis, e agora com meus estudos que estão sendo prejudicados.

Gostaria de saber se mesmo não arrancando os fios pela raiz, e apenas tirando ponta dupla o tempo todo, é sinal que eu tenho essa doença?

O que devo fazer? Como lidar ou tratar esse tipo de coisa?

Estou tomando há duas semanas os remédios para emagrecer: Sibutramina e Pholia magra, receitado respectivamente, pelo Endocrinologista e Nutricionista. Isso implica em alguma coisa? Existe tratamento gratuito para essa doença? Qual especialista devo procurar?

Resposta:

Pelo jeito você sofre de estamos falando de Tricotilomania e de Picking. Procure um Psiquiatra. O tratamento não é tão caro assim porque as consultas são muito espaçadas. E provavelmente teu convênio reembolsa uma parte. A maioria dos Seguros Saúde também reembolsa Psicoterapia se a paciente for encaminhada por um médico.


Pergunta 2:

É meio constrangedor dizer isto, mas arranco os meus cílios até ficar sem nenhum nos meus olhos, desde meus 11 anos, mais ou menos. Gostaria de ajuda médica, mas tenho vergonha dos outros saberem!

Resposta:

Mas ninguém vai saber a não ser você e teu médico!

2) Procuro um fio mais grosso e áspero, fico alisando e arranco.

Pergunta:

Arranco meus cabelos desde os 14 anos (tenho 36), não consigo parar e isto me incomoda muito.
Procuro sempre um fio mais grosso e áspero, fico alisando-o compulsivamente e depois o arranco.

Minha casa vive cheia de fios, não sei como ainda não fiquei careca. Já estive em psiquiatra tratando de Depressão, mas ele não deu importância quando mencionei este fato, apenas riu. Tomei x por uns 6 meses, não sei se funcionou, tenho períodos de recaída, e o hábito de arrancar os cabelos não alterou em nada.

Existe ligação entre a Tricotilomania e a Depressão? O que devo fazer?

Resposta:

Existe relação entre Tricotilomania e Depressão, mas não é tão frequente.
O tratamento da Tricotilomania é feito de acordo com os sintomas dela mais o conjunto da personalidade da paciente.

Por exemplo se a personalidade é mais ansiosa, mais colérica, mais depressiva, você tenta usar medicamentos mais específicos de acordo com a personalidade dela.

3) Filha de 1 ano arranca os cabelos desde os três meses e come.

Pergunta 1:

Tenho uma filha de 1 ano, ela arranca os cabelos desde os três meses, recentemente encontrei cabelo nas fezes, o que me alertou para o fato dela estar comendo os cabelos. Ela nasceu bem cabeluda, mas já com os cabelos bem ralos de tanto arrancar, uma falha enorme.

Gostaria de saber se há um causador para este tipo de mania, se corro algum tipo de risco e se há uma solução; por favor me ajude, não sei o que fazer.

Luva já tentei mas ela não consegue dormir. Enrola os cabelos no dedinho e chupa dedo com cabelo.

Resposta:

Num bebê de 1 ano, comportamentos repetitivos como o descrito (puxar o cabelo, enrolar no dedinho, etc.) estão muito provavelmente ligados a rituais de auto estimulação.

Deve-se tentar trocar a ação auto estimulatória (chupeta, ursinho, algo para esfregar o nariz, etc.).
Enfim, você deverá encontrar algo para seu bebê que lhe dê tanto prazer quanto arrancar os cabelos, para que ele substitua o ato. Ainda não podemos falar em Tricotilomania.

Atenciosamente, Dra. Susan Mondoni.


Pergunta 2:

Minha filha tem hoje 4 anos e desde os 8 meses puxa cabelo e enrola no dedo e chupa. A pergunta pode ser parecida com outra, mas é que de 1 a 3 anos passamos por Psicólogo e nada!
Luva, gel e óleo nos cabelos, cortar mais curtos, paninhos (cheirinho), entre outras tentativas não adiantaram.

Estou confusa e não sei o que fazer.
Gostaria que vocês me dessem uma alternativa, o profissional mais adequado, etc.
Moro em Mogi das cruzes-sp, c tiver 1 amigo d profissão aqui para me indicar...


Pergunta 3:

Tenho uma filha de 2 anos que tem sintomas da Tricotilomania e gostaria de saber mais sobre esta doença. Primeira vez que escuto fala nesta doença por isso gostaria de saber como é com criança pequenas?

Resposta:

Prezada Carmem, existem algumas medicações que controlam a Tricotilomania, mesmo na idade da sua filha.
Procure um Psiquiatra infantil. Não conheço ninguém em Mogi, mas, como o tratamento não é semanal, muitos pacientes inclusive de sua cidade acabam se organizando e vindo para São Paulo.

Atenciosamente, Dra. Susan Mondoni.


Pergunta 4:

Minha filha sofre de Tricotilomania desde os 11 anos, hoje está com 16 anos.
Faz tratamento com uma Psiquiatra há mais ou menos 6 meses, tomando o remédio chamado Efexor XR 150, mas não estou vendo resultado positivo.

Gostaria de saber sua opinião sobre o que fazer.

Resposta:

Depois de 6 meses? Com certeza mudar de medicação, pois se o Efexor não ajudou em 6 meses é porque não vai ajudar.


Pergunta 5:

Sou uma adolescente de 16 anos prestes a fazer 17. Desde os 11 anos eu comecei a apresentar sintomas de Tricotilomania, mas eram bem menos frequentes. Porém aos 14 anos comecei a arrancar os fios descontroladamente e não parei mais tanto que uso aplique.
Até o começo deste ano consegui esconder de todos, até quando minha mãe viu áreas totalmente falhas e grandes na minha cabeça, ela se desesperou e aí sim resolveu me levar ao médico.

Estou tratando com Psiquiatra que me receitou Antidepressivo (Amitriptilina), sempre que procuro informações e converso com a Psiquiatra, é mencionado muito a questão da Depressão, eu não sou depressiva (pelo menos acho que não).

Durante todos estes anos ninguém percebeu que tenho algum problema e se referem a mim como alegre etc.
É algo tão intenso que cada fio é selecionado, mal consigo estudar (estou em fase de vestibular) porque acabo me distraindo, já tentei bater palmas, apertar as mãos, procurar alguém mais próximo, morder lápis, mas nada, parece que eu não quero parar.

Esse é como se fosse um lado oculto e obscuro da minha vida.
Gostaria de saber se é possível ter Depressão mesmo mantendo vínculos afetivos (amizade, família) estáveis ou conseguir escondê-la de outras pessoas porque eu tenho autocontrole sobre minhas emoções e o que me escapa é falar desse assunto sinto muita vontade de chorar me sinto péssima, mas quando este sentimento passa é como se bloqueasse o problema e sigo a vida normalmente.

Resposta:

Uma menina não precisa sofrer de nenhuma Depressão para ter Tricotilomania.
Também não precisa ser psicótica.
No entanto, os melhores tratamentos são com Antidepressivos e/ou Neurolépticos (Antipsicóticos), combinados com Psicoterapias específicas.

Como você está vendo, a Tricotilomania é extremamente teimosa para passar. Não desista do tratamento.
Amitriptilina é apena um dos muitos Antidepressivos, na verdade nem é de primeira linha para tratamento de Tricotilomania.

4) Comecei a comer a raiz do cabelo, a sensação de prazer era ainda maior quando sangrava.

Pergunta 1:

A mania a qual vou lhes falar não é minha mas da minha namorada. Procurei me inteirar sobre o assunto porque ela mesma se preocupa com essa mania dela.
Ela tem mania desde criança, de passar os dedos na sobrancelha.
Segundo ela, é uma mania, e mais que isso, uma compulsão por passar os dedos na sobrancelha, seja dela mesma ou de outra pessoa.

Disse a mim que sente muito prazer em fazer isso, e que inclusive, faz com que ela durma e relaxe mais rapidamente.
Já fiz o teste para ver se era verdade, e acreditem ou não, ela dormiu. Relaxa tão rapidamente que suas pálpebras abriam e fechavam como quem está com muito sono e cansado.

E detalhe, não interessa se é na dela ou na sobrancelha de outra pessoa. Basta passar os dedos na dela ou ela na sobrancelha de outra pessoa para que isso aconteça.
Relatou para mim, que aos 12 anos havia parado, e que aos 14, sua mãe comentou com uma amiga sobre a mania que ela tinha de passar os dedos na sobrancelha, aí não teve jeito, voltou a vontade de novo e até hoje isso a persegue.

Ela quer muito parar, pois hoje com 22 anos, as vezes se olha no espelho e vê as falhas na sobrancelha, e é terrível.
Outro fato que ela me contou foi que, quando corta o dedo, seja o corte superficial ou mais profundo, sente um prazer incontrolável de passar o corte do dedo na sobrancelha, pelo fato dos pelos espetarem o corte, bem em cima da carne, promovendo assim um tipo de dor agradável a ela.

Por favor, me retornem informação para que eu possa ajudá-la e informá-la do seu problema, se é que é um problema realmente.


Pergunta 2:

Gostei muito desta página, por encontrar na mesma alguns depoimentos de pessoas que sofrem com o mesmo problema que eu, a Tricotilomania, mas fiquei triste por saber que muitos não encontram o conforto da cura. Já sofro há 10 anos.
Resposta:
Eu não sou tão pessimista. Muitas pessoas que dizem que não ficaram boas não foram tratadas adequadamente. Ou pelo remédio errado, ou por falta de dose ou por falta de insistência. Não pode ter pressa, nesse caso.

Hoje eu tenho 20 anos. Desde os 13 eu arranco os meus cabelos. Nunca soube a causa disso.
No momento em que começo, fico em transe. Não sinto nada. Nem meu braço formigando por ficar tanto tempo erguido sobre minha cabeça. Também não sinto sono. Também tenho mania de estalar diversos ossos no meu corpo para ter o prazer de sentir aquela dor momentânea.


Pergunta 3:

Arranco cabelo há 7 anos, trato com medicamentos atualmente, fiz análise mas, não consigo controlar o impulso de arrancar cabelo.
Tenho falhas pelo couro cabeludo e sofro muito com isso.
Estou sempre pesquisando sobre esta doença e nunca encontrei uma pessoa que tivesse se curado definitivamente da mania de arrancar cabelo.


Pergunta 4:

Sofro de Tricotilomania, li alguns relatos sobre esse distúrbio no seu site, e em algumas situações me identifiquei com os casos descritos.
Atualmente faço psicanálise e segundo a terapeuta não existe necessidade do uso de medicamentos, no entanto, não percebo melhora.


Pergunta 5:

Sou mulher (apesar de ainda me sentir uma menininha), tenho 21 anos, e sofro de Tricotilomania desde os 8, 9 anos.
Comecei com uma sensação de prazer quando tirava os cabelos da cabeça. Aos 11 anos, aproximadamente, comecei a tirar os pelos pubianos, que até então eu não havia tirado simplesmente porque não surgiram, é continuo tirando até hoje, pois a dor me proporciona prazer (?!).

Mas os meus preferidos sempre foram os cabelos, bem do meio e do alto da cabeça. Não sei precisar quanto tempo depois, comecei a comer a raiz do cabelo, e a sensação de prazer era ainda maior quando sangrava. Aos 16 anos, aproximadamente, o hábito de tirar cabelos se tornou bem mais frequente, por causa disso fiquei com uma área calva bem grande, quase impossível de disfarçar.

Hoje ainda tenho alguma recaída, mas posso dizer que, com certeza, estou muuuuito melhor ;-))) percebo que os cabelos que tirei por anos e que agora não tiro mais, cresceram mais escuros e encaracolados (e o meu cabelo é louro mel e liso).

Há poucos dias, cogitei a hipótese de que talvez eu tirasse cabelo para me sentir diferente, por medo de ser igual às outras pessoas. Gostaria de saber se com o tempo meu cabelo vai se igualar (isto é, ficar todo liso e da mesma cor), se existe algum produto que acelere o crescimento do cabelo, e se existir, como posso consegui-lo, e também, se há um perfil comum entre os Tricotilomaníacos.


Pergunta 6:

Desde muito pequena (+ ou - 5 anos), eu arranco cabelos do corpo. Não me lembro de naquela época sentir algum tipo de ansiedade, arrancava por prazer, e apenas do nariz, às vezes até sangrar: depois passei para as axilas, púbis e, finalmente, cabeça.
Quando comecei a arrancar cabelos também da cabeça, foi numa época em que eu e minha mãe estávamos com problemas financeiros maiores que os de costume (meu pai faleceu em 91, e não tenho irmãos).

Já completei um ano sem tirar da cabeça, mas eu continuo arrancando de outros lugares, e como raízes e até os pelos inteiros.
Fiquei chocada com uma descrição de uma pessoa com Tricotilomania, eu fazia tudo aquilo (arrancar cabelos dos outros, enfiar fios no nariz do meu gato e no meu próprio, comer cabelos...).

Parei de arrancar cabelos da cabeça por motivos estéticos (falhas imensas na cabeça, altamente perceptíveis) e quando estava mais nervosa que o normal arrancava na frente das pessoas, conversando, na sala de aula e em todos os outros lugares), na maior cara-de-pau.

Contei essa história por ter a chance de me manter anônima, e minha pergunta é a seguinte: tenho 18 anos (faço 19 mês que vem) e gostaria de saber se devo procurar um Psiquiatra ou um psicanalista, e se você acha que vão me receitar algum psicotrópico e, se não for pedir demais, gostaria de saber o que você acha do meu caso.


Pergunta 7:

Tenho 23 anos e desde os 15 sofro desse Tricotilomania. Não sei o que me levou a isso.
Nem sabia que isto era uma doença com o nome de Tricotilomania, quando por coincidência há dois dia eu estava lendo a revista Crescer e lá tinha uma matéria onde falava do hábito de arrancar os cabelos, mas algo naquela manchete me chamou a atenção pois eu sempre pensei que só eu tinha esta mórbida mania de arrancar os cabelos.

Nunca falei deste assunto com ninguém pois sempre tive vergonha, nem com membros da minha família. Sempre que arranco os fios do meu cabelo, a minha satisfação maior está em separá-lo da raiz e friccioná-la entre minhas unhas. Já tentei parar várias vezes mas nunca consegui, e como se fosse um vício, uma impulsão muito mais forte do que eu.

Peço ajuda de vocês, quais as atitudes que eu devo tomar, que meios de autoajuda devo eu procurar, pois já não aguento mais isso em minha vida.


Pergunta 8:

Lendo neste site, identifiquei algumas situações que fazem parte do meu dia a dia: arranco cabelos com frequência (exatamente como descrevem a Tricotilomania), tenho tiques (um deles há, pelo menos, 9 anos), mudo de humor com muita frequência, costumo roer unhas, tenho as pernas constantemente inquietas, alguns sintomas de TOC...
Enfim, muitos distúrbios. Sou professora, tenho 31 anos. Gostaria de saber se minha profissão pode ter colaborado para todos estes sintomas se agravarem?

Atualmente, tenho uma rotina de trabalho mais branda, porém sou mãe e dona de casa também. Entretanto, trabalhei bastante tempo em dupla jornada, com situações muito difíceis em sala de aula, sem contar a jornada como mãe e dona de casa. Sou extremamente detalhista e perfeccionista.

Poderiam me indicar algum profissional especializado em São Paulo? Acho que passou da hora de procurar ajuda especializada!!!


Pergunta 9:

Tricotilomania desde 7 anos. Atualmente tenho 29. Começou com cílios e se agravou com o tempo. Há +- 4 anos comecei tratamento com psicanálise porém, não obtive resultados.
Houve períodos de breve melhora mas nada que durasse mais de três meses. Por questões financeiras não continuei o tratamento.

Entendo que autoestima tem grande influência em meu caso por isso mantive a psicanálise. Durante o período de tratamento não tomei qualquer medicação (não houve indicação médica).

Uma das coisas que mais me chateiam é achar que sou a única pessoa que tem tal problema. Nenhum terapeuta que tenha conhecido havia pego um caso como ou meu ou mesmo sabia indicar qualquer literatura sobre o assunto.

Sei que podem haver outras pessoas com problemas semelhantes e que passou por dificuldades diante, tanto de familiares como profissionalmente e socialmente e isso acaba se tornando um círculo vicioso.

Mania tira trabalho, atrapalha família, tira namorado, você se sente mal e extravasa na mania que tira trabalho.

Até hoje não me curei, ainda sofro com família e me escondendo dos olhares, sou supersensível e medrosa mas gostaria de informações mais aprofundadas sobre o assunto e de dividir meu caso com médicos e/ou terapeutas e outras pessoas que tenham o mesmo problema ou estejam em situações parecidas. É difícil localizar um profissional que realmente conheça o meu caso.


Resposta comum a todas essas perguntas:

Situações de sobrecarga emocional, ansiedade, stress não provocam o aparecimento de Tricotilomania nem de Tourette, mas podem agravar um quadro existente sim. E as personalidades obsessivas costumam se sobrecarregar além do necessário...
Provavelmente os novos fios de cabelo serão iguais aos outros.
Sentir prazer, associado à dor na hora de arrancar os cabelos é comum e justamente esse prazer é um dos fatores que mais dificulta a insistência no tratamento.
Procure um Psiquiatra, pois a Psicanálise não cura Tricotilomania. Tricotilomania já é muito difícil tratar com medicação mais TCC (Terapia Cognitivo Comportamental) mais força de vontade, mais medidas como colocar esparadrapo nos dedos. Só com Psicanálise então...
Sempre existe chance de recaídas.
Quem tem Tricotilomania não gosta de tomar remédios e tende a tomar doses muito baixas ou por pouco tempo e desistir do tratamento.
Você deveria tentar se tratar sim, pois raramente a Tricotilomania passa sozinha.
Qualquer Psiquiatra clínico com experiência em pode tratar. Inclusive os Psiquiatras que tratam Transtornos Obsessivos conhecem terapeutas especializados em TCC ou em Terapia Comportamental.
Mesmo que seja longe de sua cidade as consultas com o Psiquiatra são bem espaçadas portanto não seria problema. A Psicoterapia é que é semanal.

5) Tenho Tricotilomania uma compulsão por arrancar pelos dos braços.

Pergunta 1:

Tenho Tricotilomania uma compulsão por arrancar pelos do braços, sendo que o mesmos ficam lesados apresentando uma aparência desconfortante para mim.
Sou um jovem de 22 anos e tive Depressão desde criança diagnosticada há uns 6 anos atrás quando fiz tratamento durante um período de 4 anos resolvendo o problema da Depressão, Fobia Social e TOC.

Mas não consegui superar a Tricotilomania tentei várias coisas com meu médico como anotar a frequência em que eu arrancada os pelos, etc.
A mais perto que cheguei foi quando final do ano já fora do tratamento, raspei o braço e fui viajar o sal, o iodo e o sol secaram minhas feridas.
Ao voltar, fiquei de janeiro até abril sem arrancar, depois comecei tudo de novo numa compulsão desenfreada.

Resposta:

Então você precisa recomeçar o tratamento, até ficar bom. Parece ser um quadro clínico compatível com Tricotilomania e com Skin Picking. Pode demorar muito, não desista.


Pergunta 2:

Olá! Tenho Tricotilomania há 12 anos (tenho 23). Só agora procurei um médico, e ele receitou Luvox (Fluvoxamina), comecei tomando 100 mg (há um mês, mas não senti nenhuma melhora).
Ele quer aumentar o Luvox para 150 mg.

Tenho umas crises depressivas, mas quando não estou nesses dias me sinto muito bem.
Ele falou que pode ser reflexo da Tricotilomania. Pode mesmo? E esse remédio é mesmo indicado? Quanto tempo ele demora para fazer efeito? Muito obrigada!!!

Resposta:

Luvox pode ser uma boa opção, principalmente se também fizer Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) junto.
Muitos casos de Tricotilomania também precisam de um neuroléptico.

Fases depressivas em quem tem Tricotilomania são bastante comuns.
A dose do Luvox pode ser bem mais alta do que 100 e 150 mg.
Um mês de tratamento é pouco, não desista.


Pergunta 3:

Meu nome é Joyce, tenho 32 anos e estou com esse problema de Tricotilomania desde os 25 anos.
Eu quero saber se eu posso colocar algum tipo de aplique porque estou fazendo tratamento mas quero colocar para eu poder sair e ficar bonita, já que eu não tenho mais cabelo o meu cabelo na parte da frente.

Minha cabeça está com muitas falhas, estou careca na parte da frente, mas estou tentando controlar obrigada pela atenção.

Resposta:

Se você pode colocar aplique? Pode sim, desde que você não desista do tratamento.


Pergunta 4:

Quando uma pessoa apresenta Tricotilomania e Fobia Social, especificamente. Essas duas doenças podem ter algum tipo de relação?

Resposta:

Sim, uma pessoa pode ter Tricotilomania e Fobia Social. Inclusive, as falhas no couro cabeludo podem provocar os sintomas da Ansiedade Social (o outro nome da Fobia Social).

6) Há uma explicação para as regiões que se arrancam os fios?

Pergunta 1:

Gostaria de saber se na Tricotilomania há uma explicação para as regiões que se arrancam os fios, eu especificamente retiro cabelo do centro da cabeça. Parte de cima do lado esquerdo e alguns fios da frente do meu cabelo, além de retirar com pinça e até mesmo com as mãos os cabelos da coxa perna direita.
Não sei como evitar estou com uma enorme falha no cabelo e minha perna está horrível e além disso, comecei um tratamento a um mês com (cloridrato de Amitriptilina) a dosagem é pequena (25 mg) e acho que não está funcionando, porém estou com medo de minha mãe descobrir que continuo arrancando os fios e o Psiquiatra receitar uma dosagem maior.

O que faço?

Resposta:

A explicação da região onde a pessoa com Tricotilomania arranca cabelo é prática: onde os dedos da mão direita alcançam com mais facilidade e onde dá para disfarçar mais.
Quanto ao tratamento com Amitriptilina, desculpe mas não posso interferir no tratamento, não é ético.


Pergunta 2:

Preciso saber uma coisa, o que acontece com a raiz depois que a pessoa engole? Pode crescer no estômago?

Resposta:

Não, o cabelo não cresce no estômago. As raízes são digeridas, os fios são eliminados nas fezes, mas às vezes formam enovelados, ou seja, bolos de fios no estômago quem precisam ser tirados por endoscopia.


Pergunta 3:

Como pode ser revertida a calvície causada pela Tricotilomania, se após a abstenção do hábito de arrancar os cabelos, estes não voltarem a nascer? Existe algum medicamento eficaz?

Resposta:

Geralmente os cabelos voltam a crescer, obviamente que até certo ponto da doença.


Pergunta 4:

Comecei a arrancar a raiz dos meus cabelos com 18 anos! Consegui parar sozinha, mas meus cabelos não cresceram e os lugares onde arranquei estão com falhas muito visíveis, a ponto de não poder entrar no mar, piscina, até no chuveiro, se eu molhar a cabeça os buracos aparecem!
Li os depoimentos das outras pessoas e vi que os cabelos voltaram a crescer e o meu depois de 7 anos nunca cresceram e não consigo entender!

Alguém pode me explicar o que fazer, que remédio tomar? Me ajudem!

Resposta:

É possível sim que você tenha danificado muito teu couro cabeludo, depois de tantos anos e tendo começado a Tricotilomania não cedo. Recomendo procurar um Dermatologista.


Pergunta 5:

Gostaria de saber se uma pessoa que tem esse problema de arrancar cabelo se ela raspar a cabeça se o cabelo dela cresce de novo?

Resposta:

Se você raspar a cabeça, os cabelos vão crescer novamente sim, mas isso não é motivo para não tratar a Tricotilomania.

7) Casos de crianças com Tricotilomania são muito angustiantes para os pais.

Pergunta 1:

Olá, tenho uma filha com 16 anos que é ansiosa e arranca os cabelos desde pequena, agora está fazendo tratamento com uma psicóloga e está se controlando mais para arrancar menos cabelo, só que com isso ela piorou da ansiedade e fica irritada mais facilmente, tendo crises como falta de ar com palpitação e boca seca, isso acontece só de vez em quando e mais na TPM. Levei ela num psiquiatra e ele receitou Paroxetina 30 mg, Rhadiola rósea 200 mg, Alprazolam 2 mg, Prometazina 26 mg e Quetiapina 75 mg.
Achei muita coisa, ele falou que se fosse dar um de farmácia talvez pela idade dela não conseguiria tirar depois.

Já a psicóloga acha que no caso dela a Fluoxetina já ajudaria.

O que o doutor acha?

Resposta:

Tricotilomania é bem difícil tratar, mas ainda bem que sua filha começou a tratar nem cedo, as chances de se livrar da Tricotilomania são muito maiores.
Com relação a essa quantidade de medicamentos, não seria ético eu opinar, mas sempre se deve tentar tratar com a menor variedade possível de remédios.
A Fluoxetina pode ser uma boa opção também.


Pergunta 2:

Dr. Rubens Pitliuk, venho através deste este e-mail pedir orientações se possível a uma mãe que não sabe como agir com um filho que tem Tricotilomania. Há 1 ano e meio eu venho vendo meu filho arrancar todos os cabelos do cílios dele. No começo achava que era uma coisa passageira, nem sabia que existia essa doença, mais ao longo do tempo fui percebendo que não era normal e que ele não conseguia mais parar, particularmente muito era muito frequente antes de dormir.

Muitas vezes tive que dormir com ele, eu o abraçava por traz e ficava segurando suas mão até ele adormecer.

Ele chegou também bem no começo tirar um pouco do cabelo dele atrás bem onde fica aquele moinho na cabeça, mas depois ele parou de tirar dali e ficou só nos cílios.

Mas meu desespero maior veio essa semana quando observei que uma das sobrancelhas dele estava começando a diminuir. Já procurei psiquiatra aqui, mas não atende crianças. Moro no sul de Minas Gerais e aqui não tem tantos recursos nesses atendimentos. Essa semana vou ver se consigo um psiquiatra aqui pela região.

Mas o que eu queria saber do senhor é como eu como mãe devo agir e o que da minha parte, tirando procurar os tratamentos, como devo me posicionar diante disso, o que posso fazer pra ajudar meu filho no dia-a-dia, como eu posso ajudá-lo a superar esse momento.

Ele tem 9 anos, esse ano coloquei ele na natação porque achei importante ele ter atividades pra fazer. Sabe eu choro todos os dias pensando o que vai acontecer, fico com medo dele se motivo de piada na escola e que isso venha piorar ainda mais.

Desculpa incomoda-lo, achei seu e-mail em um site bem esclarecedor sobre assunto. Creio que o seja muito ocupado mais se puder responder meu e-mail apenas me orientando qual a maneira melhor de agir já vou me sentir mais forte e confiante em seguir em frente. Não tenho pessoas pra compartilhar sobre o assunto pois ele não entendem direito. Obrigada pela atenção! Que Deus lhe abençoe!!!

Resposta:

Casos de crianças com Tricotilomania são muito angustiantes para os pais, pois em geral estas crianças não conseguem verbalizar o que sentem ou o que está acontecendo com elas.

Então, é importante que você tente estabelecer um canal de diálogo com seu filho, questionando-o sobre o que poderia estar acontecendo (emocionalmente falando) para que este comportamento ocorra.

Também é importante chamar-lhe a atenção quando ele estiver arrancando os cílios, para que ele perceba o que está fazendo e pare.

Dra. Susan Mondoni.

8) Tricotilomania é uma forma de auto mutilação?

Pergunta:

O que vocês têm a dizer sobre automutilação? Tricotilomania é uma forma de auto mutilação? Há algo sobre o assunto no site?

Resposta:

Automutilação não é a mesma coisa que a Tricotilomania.
Este site tem bastante material sobre Tricotilomania.
Especifique melhor do que se trata, para eu poder dar uma resposta mais concreta.
Mas leia a página de Borderline.

9) A única coisa que realmente segura minha Tricotilomania é raspar a cabeça.

Pergunta:

Tenho Tricotilomania desde os 14 anos e atualmente tenho 19. Consegui encontrar algumas formas para driblar essa terrível mania.
Já utilizei luvas, bonés, gorros, esparadrapos nas pontas dos dedos (bem eficiente), mas a única coisa que realmente segura minha Tricotilomania é raspar a cabeça.

Infelizmente esta não é uma solução para as mulheres, mas para os homens é um enorme alívio.
Como não consigo tirar os cabelos, eu tiro o resto dos meus pelos, inclusive os das sobrancelhas.
Gostaria muito de saber se as raízes destes pelos especificamente têm chances maior de morrerem.

Muito legal o site. Continuem disseminando estas preciosas informações!

Resposta:

Não sei informar se as raízes dos pelos morrem mais do que as dos cabelos, mas sei que você deveria se tratar.
Essas medidas que você tomou são muito importantes, mas junto com o tratamento medicamentoso e psicoterápico elas serão muito mais eficazes.

10) Tricotilomania não é hereditária, não se preocupe. Várias perguntas.

Pergunta 1:

Trata-se do seguinte problema: minha ex-esposa sofre deste problema, a ponto de ser totalmente careca e usar peruca, já há vários anos, pelo que me parece desde os 15 anos de idade sofre de Tricotilomania.
A minha ex-sogra parece que na época do ocorrido tentou fazer de tudo sem sucesso, e depois de um certo tempo, o problema tornou-se um tabu que não se comenta mais, não se fala no assunto.

Minha ex-esposa se recusa a falar no assunto e trata tudo como se não existisse o problema. Enfim, um distúrbio gigantesco.

Agora que estudei mais a fundo o caso, estou preocupado com minha filha de 4 anos que vive com ela. Estou escrevendo para saber quais os riscos reais que minha filha estaria correndo.

Qual o risco dela vir a sofrer do mesmo distúrbio e qual o risco real dela viver com a mãe que tem este problema e esconde de tudo e de todos.
Gostaria de saber se existe o risco de minha ex esposa começar a arrancar os cabelos da própria filha e quais as chances da minha filha vir a sofrer desse distúrbio ou de outros possíveis.

Também gostaria de saber quais as medidas legais que posso solicitar para me precaver de tais problemas futuros.

Posso solicitar avaliação psiquiátrica da mãe? Até que ponto esse problema poderia intervir ao meu favor numa ação de guarda judicial da criança? Enfim estou realmente preocupado com minha filha e gostaria da sugestão do doutor para me auxiliar neste assunto.

Resposta:

Tricotilomania não é hereditária, não se preocupe. Não tem porque sua esposa começar a arrancar os cabelos da filha, pelo menos que eu saiba, isso não existe (mas existem meninas que começaram a Tricotilomania arrancando cabelos de bonecas).

Quanto à questão legal, marque uma consulta com a Dra. Susan Mondoni, que é Psiquiatra Infantil e Forense.


Pergunta 2:

Tenho 34 anos e tenho Tricotilomania deste a minha adolescência. Tenho uma bebezinha de 1 ano e tenho percebido que ela tem puxado o cabelo algumas vezes por dia. Gostaria de saber se esta doença pode ser hereditária?

Resposta:

Poder, pode, mas é muitíssimo (mesmo !!!) improvável.


Pergunta 3:

Tenho os sintomas da Tricotilomania há alguns anos, não só eu, mas minhas 3 irmãs também. Minha avó também tem os mesmos sintomas e até já apresenta falhas no cabelo.
Comecei a arrancar meus cabelos depois de ver minha prima fazendo isso. Pode ser hereditário? É muita coincidência tantas pessoas na mesma família apresentarem os sintomas.

Resposta:

Não que seja hereditário. Com certeza não todos os membros da família sofrerão de Tricotilomania, mas certamente, existem famílias com mais incidência.

Às vezes até mesmo por imitação.

© 2020 por mentalhelp