Perguntas e Respostas

TDAH ou DDA ou Déficit de Atenção com ou sem Hiperatividade em adultos

Quem sofre de TDAH e Depressão pode precisar tratamento combinado

Pergunta 1:

Eu tenho Déficit de Atenção e o médico me indicou o Efexor 37,5 mg para tratamento de TDAH, mas pelo o que eu pesquisei o Efexor nada mais é do que um antidepressivo. O certo deveria ser a Ritalina, Concerta ou Venvanse.
Eu tenho perda de memória constante, sou ansiosa, antissocial, sofro de Depressão, releio a mesma página várias vezes.
E agora, será que ele me passou a medicação errada? Será que vai funcionar?

Resposta:

Muitos pacientes sofrem de TDAH (Déficit de Atenção) mais ansiedade e/ou Depressão. Eles costumam precisar de combinação de medicamentos, um Estimulante (Ritalina, Concerta ou Venvanse) mais um Antidepressivo, além de Psicoterapia, pois muitas vezes o comportamento depressivo ou antissocial é decorrência das dificuldades trazidas durante a vida pelo TDAH.
Mas o Efexor usado especificamente para o TDAH é incomum, sendo medicação de terceira escolha para quem não tolera os Estimulantes nem a Bupropiona.

Pergunta 2:

Desde a minha adolescência venho tentando investigar o porquê da minha dificuldade de concentração que começou a me incomodar por volta dos 9 anos, quando sentia dificuldades em fazer provas. Na minha adolescência, passei por um período de Depressão que na época não foi observado por meus familiares.
Eu só queria ficar em casa e não queria me relacionar com os colegas e amigos.
Com isso me tornei uma pessoa fechada fiz Eletroencefalograma aos 19 anos para descobrir se teria algum problema e deu normal.
Minha dificuldade de atenção continuava e quando estudava, na hora da prova ocorria aquele branco.
Quando comentava isso com os médicos, eles me olhavam como se fosse uma coisa normal e corriqueira.
O tempo foi passando e com isso a minha autoconfiança foi sendo abalada fazendo minha autoestima passar por altos e baixos.
Passei a ter pavor de falar em público (4 pessoas para mim já era considerado multidão).
Sofri de Depressão pós Parto e foi horrível. Não queria ver ninguém.
Depois comecei a engordar, pois comia compulsivamente assim como o alcoólatra o faz com a bebida e a total apatia pelas coisas da vida foi tomando conta de mim.
Nada me dava mais prazer e o mau-humor era constante.
Procurei um médico que me receitou Isomeride mais dieta e observei que o remédio não só me ajudou na perda de peso como me recuperou psicologicamente fazendo eu me sentir leve e voltar a ter alegria de viver.
Tomei o medicamento durante uns 90 dias seguidos e depois suspendi por recomendações médicas.
Passados uns oito meses, observei que o meu mal estar voltava com os antigos sintomas e voltei a tomar o medicamento por menos tempo até me sentir melhor.
E assim o fiz até a sua venda ser suspensa. Minha mãe já sofreu de Depressão e hoje, mesmo curada, é uma pessoa que às vezes sofre de baixa autoconfiança e autoestima.

Resposta:

Tudo isso pode se encaixar em Déficit de Atenção com ou sem Hiperatividade. Uma pessoa pode sofrer de uma Depressão Clínica independente do TDAH, mas o mais comum é que o estado depressivo assim como a Fobia Social sejam consequência das dificuldades trazidas pelo TDAH.
Esse é mais um motivo da importância de tratar o DDA assim que ele é percebido na criança, para não deixar sequelas.

Pergunta 3:

Com 24 anos devido a baixo rendimento acadêmico e profissional resolvi procurar um médico. Após consulta com um Psiquiatra foi diagnosticado TDAH seguido de stress/leve Depressão decorrente do baixo rendimento que eu tinha.
Estou fazendo o tratamento com Citalopram 20 mg, e já senti uma melhora na disposição de acordar cedo, durante o dia e também meu corpo não estava cansado ao acordar.
Ele disse que no próximo retorno irá me avaliar e se não for percebido melhora na concentração ele irá O medicamento Citalopram é realmente indicado para o meu caso? TDAH e stress.

Resposta:

Sim, o Citalopram (Citta, Procimax) é um dos muitos Antidepressivos que podem ajudar nessa Depressão que pode ser consequência das dificuldades trazidas pelo TDAH.

Pergunta 4:

Li um pouco sobre a Ritalina em livros e em sites como o do Dr. Rubens Pitliuk, e alguma coisa que eu li e outras que são apenas suposições, me assustam, tais como o cansaço e a Depressão de quando eu não estiver sob o efeito do medicamento. Ela tem algum efeito colateral sexual?

Resposta:

Alguns pacientes sentem uma leve depressão, como se fosse um “baixo astral” quando passa o efeito da Ritalina no final do dia.
Geralmente esse problema é facilmente controlado associando Ritalina com um Psicoestimulante de ação mais longa e queda no nível plasmático menos acentuada, como Ritalina LA, Concerta e Venvanse.
Com relação a algum efeito colateral sexual, sim, ela pode provocar aumento de libido.

TDAH e Fobia Social, Transtorno do Pânico e Ansiedade

Pergunta 1:

Tenho 50 anos e há 30 faço tratamento para Depressão e TAG. Desconfio que sofro de TDAH desde que me lembro (tipo desatento), mas nenhum médico me deu "atenção" pelo fato de eu ser formada. O fato é que cada vez mais pioro do TAG e a minha vida ficou totalmente estagnada.
Atualmente faço tratamento com para TAG e Depressão, mas fui informada de que pelo fato de ter TAG, não posso tomar medicamento para o TDAH. Essa informação é verdadeira?
Os medicamentos para TDAH pioram o quadro do TAG? Tenho impressão de que se conseguisse organizar a minha vida, a ansiedade diminuiria ou mesmo "sumiria".
Agradeço muitíssimo a disponibilidade. É uma área muito difícil de obter informações. Graças a Deus hoje já temos como nos informar sobre transtornos psiquiátricos.

Resposta:

Pode tratar TDAH ao mesmo tempo em que tata Ansiedade e Depressão sim.
Existe uma chance do medicamento do Déficit de Atenção piorar a ansiedade, mas essa chance é muito pequena e se isso acontecer basta suspender o medicamento e trocar por outro!
Obrigado pelos elogios.

Pergunta 2:

Olá Doutor Rubens Pitliuk, primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelo seu ótimo trabalho. Um site extremamente informativo, de altíssima utilidade. Tenho 18 para 19 anos de idade e desde criança fui sempre muito agitado. Fui diagnosticado aos 8 anos como hiperativo por uma psicóloga.
A mesma disse que não seria necessário o tratamento medicamentoso, visto que era algo "natural" da minha idade e que psicoterapia mais prática de esportes, faria com que os sintomas melhorassem. Enfim, anos se passaram e nada.
Sempre me considerei bastante inteligente, mas não consigo focar, sou muito agitado, parece que estou ligado no 220V, meu corpo (minha perna especificadamente) é inquieto, assim como meus pensamentos são muito rápidos.
Ano passado, quando estava com 17 anos, estava no cursinho pré-vestibular. Me sentia extremamente nervoso, várias mudanças na minha vida e isso acabou resultando em uma depressão ansiosa, acompanhada de pensamentos obsessivos de morte, sexo e etc.
Fui ao psiquiatra e hoje estou estabilizado nesses sintomas, tomo 20 mg de Escitalopram e tenho reagido muito bem ao remédio.
Porém, gostaria de saber, se para a Hiperatividade e esses pensamentos acelerados, que tiram meu foco, a Bupropiona teria um bom efeito.
Eu reluto um pouco contra os Psicoestimulantes, não sei por que, mas gostaria de saber qual a eficácia da Bupropiona, principalmente no quesito Hiperatividade. Muito obrigado!

Resposta:

Obrigado pelos elogios. Provavelmente tua vida teria sido bem mais fácil se você tivesse tratado o Déficit de Atenção com Hiperatividade desde cedo.
Tua ansiedade foi bem controlada pelo Escitalopram (Lexapro, Reconter, Exodus, Esc, etc.), mas o Escitalopram provavelmente não vai ajudar na distração e hiperatividade.
Se teu tratamento ideal seria com Psicoestimulantes (Ritalina, Ritalina La, Concerta, Venvanse), só você e teu Psiquiatra podem decidir, não eu.
A Bupropiona (Wellbutrin, Zetron, Zyban, Bup) é uma opção de tratamento do TDAH, mas de segunda linha. De primeira linha são os Psicoestimulantes.
O problema é que a Bupropiona provavelmente não irá ajudar na ansiedade, pode até piorar, portanto de qualquer maneira você provavelmente continuaria precisando do Escitalopram.

Pergunta 3:

Tenho 50 anos e atualmente estou em crise da Síndrome do Pânico, e tenho um filho de 15, ele tem Déficit de Atenção e Hiperatividade e toma o remédio Concerta.
Vendo os sintomas dele pude perceber que quando pequena tive também Hiperatividade e Déficit de Atenção, mas na época nem se comentava de tal problema.
Pergunto tem relação a Hiperatividade e Déficit de Atenção com a Síndrome do Pânico?
A 1ª crise tive há 10 anos, fiz tratamento de 5 anos e passei 5 anos bem, e agora voltou e recomecei o tratamento com Cloridrato de Venlafaxina e Rivotril e farei Psicoterapia.
Tenho uma dúvida, pois já li vários depoimentos com pessoas que voltaram a ter crise, e li também que o Dr. Rubens Pitliuk.

Também diz que tem cura, como conseguir este sucesso a cura?

Resposta:

Existe relação entre TDAH e Ansiedade. O ataque de Pânico nada mais é do que uma crise muito forte de Ansiedade com sintomas físicos. Portanto pode ter relação sim.

Pergunta 4:

Pode uma pessoa apresentar TDAH mais Fobia Social?

Resposta:

Pode sim e é relativamente freqüente. As dificuldades de aprendizado e de convivência com outras crianças, as broncas, as suspensões na escola, as mudanças de classe e de escola, a fama de “mundo da lua”, desligado distraído, os comentários “você é tão inteligente e não aprende”, “se estudasse mais iria melhor”, “se prestasse mais atenção iria melhor nas provas” e etc. Podem favorecer o desenvolvimento de uma Fobia Social sim!
Por isso, assim que uma criança é diagnosticada om TDAH, deveria começar a tratar.

Pergunta 5:

Tenho Fobia Social e TDAH, os sintomas são muitos. Pergunto se há tratamento melhor para hiperativos do que Ritalina?

Resposta:

Existem muitos tratamentos para Fobia Social e para TDAH, mas não dá para dizer que determinado remédio é sempre melhor para todos os pacientes. Cada caso é um caso.

Pergunta 6:

Fui diagnosticada com TDAH grave, típico, com Transtorno de Ansiedade grave. Comecei a tomar Ritalina, estudo muito para concurso e tenho muita necessidade de me concentrar.
A Ritalina piorou minha ansiedade, e mesmo tomando a Fluoxetina estou tendo crises de ansiedade, fico horas sem conseguir fazer nada, só roendo as unhas.
No meu caso, a solução que é boa para todos, não é para mim, não me mantém concentrada e ainda me deixa angustiada.
O Dr. Rubens Pitliuk conhece um especialista aqui? Pode esclarecer esses dilemas?

Pergunta 7:

Tomo Ritalina para TDAH faz um mês. Tomo 10 mg, dois comprimidos ao dia. Também tomo Depakote para tratar Transtorno Bipolar, mas este último não estava surtindo efeito algum.
Fiz a besteira de tomar Bup e passei muito mal.
Voltei a tomar apenas a Ritalina, um comprimido, 10 mg, só que estou sentindo crises de pânico, até mesmo quando tomo café puro.
Você acha que a Ritalina está desencadeando o pânico? E se a resposta for sim, como fazer para tratar o TDAH se não puder tomar Ritalina?

Pergunta 8:

Tenho 35 anos e sou TDAH, com comorbidade Ansiedade, numa proporção aproximada de 70 % de ansiedade e 30 % de TDAH (é a minha percepção).
Não suportei tomar Metilfenidato (euforia e taquicardia) nem Fluvoxamina (problemas de ordem sexual).
Tenho experimentado Clonidina (meio comprimido de 0,1 mg).
O resultado me parece o mesmo do Metilfenidato, só que sem os efeitos colaterais.
Quase não encontrei indicação específica para adultos.
Por que, se parece que funciona tão bem?
Também andei lendo sobre teofilina.
É segura? Teria os mesmos efeitos colaterais do metilfenidato, já que é estimulante?
Seria interessante uma associação da teofilina com Clonidina?

Pergunta 9:

Tenho Síndrome do Pânico e faço tratamento com Efexor XR e Frontal. Há pouco tempo fui diagnosticado também com DDA (é a mesma coisa que TDAH) sem Hiperatividade e me foi receitado Ritalina que é uma anfetamina estimulante.
Ritalina pode aumentar o Pânico?

Resposta:

Esse é um problema comum, a Ritalina, Ritalina LA, Concerta e Venvanse piorarem a ansiedade e os Ataques de Pânico.
Provavelmente teu Psiquiatra irá primeiro controlar a Ansiedade com algum remédio mais poderoso que a Fluoxetina e só depois começar a Ritalina ou outro Estimulante com dose bem baixa inicialmente.
E talvez ele queira te dar Atensina (Clonidina) que serve tanto para diminuir a ansiedade quanto para tratar o TDAH.
Teofilina desconheço.

Tratar TDAH ou Déficit de Atenção com Bupropiona, Wellbutrin, Bup, Zetron

Pergunta:

Por favor, gostaria de saber a eficácia da Bupropiona no tratamento para TDAH?
É usado só quando o paciente tem alguma outra comorbidade, como TOC?

Resposta:

Bupropiona, Wellbutrin Sr., Wellbutrin XL, Bup, Zetron são boas opções para tratamento de TDAH ou DDA ou Déficit de Atenção/Hiperatividade principalmente quando:
O paciente não pode ou não deve tomar Ritalina, Ritalina LA, Concerta, Venvanse.
Não tem disciplina para tomar a Ritalina 10 mg em várias tomadas diárias.
Quando existe um componente depressivo no quadro clínico.
Para TOC menos, pois o TOC não costuma melhorar com antidepressivos Noradrenérgicos/Dopaminérgicos como a Bupropiona.

Como ter certeza se um adulto sofre de TDAH?

Pergunta 1:

Boa noite doutor, você já ouviu falar de Maladaptive Daydreaming (Devaneio Excessivo)?
Eu descobri que tenho isso recentemente, e o pior de tudo é que estou estudando para OAB e para concurso, então sempre me distraio facilmente, entro no "meu mundo", e logo me desconcentro totalmente, e o pior de tudo é que não quero deixar de viver nesse meu mundo que eu criei...
Me falaram que a Ritalina funciona para Déficit de Atenção, será que ela se encaixa nesse caso?

Resposta:

Se a Ritalina ela se encaixa no seu caso ou não, ou se o teu Daydreaming (Devaneio Excessivo) faz parte de um Déficit de Atenção ou não, isso será diagnosticado por um médico especialista que você consultar, não pelo Google. ;-)

Pergunta 2:

Olá, tenho 21 anos, venho sofrendo desse problema desde que me conheço como gente: sempre me senti em um sonho, parece que não estou inteiramente no ambiente, é como se eu tivesse com um copo na cabeça vendo as coisas acontecer, sinto que o problema é mais perceptivo no escuro, talvez seja impressão.
Não me lembro de fato quando tudo isso aconteceu, mas lembro que quando criança já me foi receitado Ritalina, pois sempre tive reclamação de "não parar quieto na sala de aula", "vive no mundo da Lua", remédio até me fazia sentir interesse na aula, mas só.
Já tomei Lexapro também sem sucesso, sinceramente não sei mais o que fazer.

Resposta:

Em primeiro lugar, precisa ter certeza do diagnóstico. Em segundo lugar, caso seja mesmo TDAH, precisa ver que dose de Ritalina você tomou. A maioria dos pacientes, pelo menos no Brasil, toma dose menor que a necessária para poder avaliar a eficácia.

Pergunta 3:

Oi. Sempre tive dificuldades no aprendizagem, na maioria das vezes mal compreendida, não durmo bem não tenho paciência tanto que casei aos 14 anos, tive 4 filhos até os 22 anos. Não consigo aprender uma profissão. Todo mundo falava “é ligada no 220 Volts”. É difícil! Como muito do meu trabalho é braçal, não memorizo nada. Chego a esquecer o aniversários dos meus filhos!
Falo muito, rio muito, choro muito, brigo muito. Tudo é tão intenso que às vezes me canso!

Resposta:

Certeza não posso dar, mas leia as páginas de Déficit de Atenção e Hiperatividade!

Pergunta 4:

Possuo vários sintomas característicos desse distúrbio, o TDAH, que me perseguem desde criança. Atrapalham minha vida profissional e meu relacionamento com as pessoas (tendência à falta de concentração, desorganização, procrastinação, dificuldade em expressar-me verbalmente, etc..).
Tenho 33 anos e procurando mais informações sobre o Distúrbio do Déficit de Atenção (DDA ou TDAH ou Hiperatividade), me deparei com sua home page na Internet.
Gostaria de saber se é realmente possível a identificação positiva, sem sombra de dúvidas, do DDA em adultos.

Resposta:

Na maioria dos casos sim, mesmo que a certeza absoluta venha com o resultado do tratamento.


Pergunta 5:

Dr. Rubens Pitliuk, faz 17 anos que trato o distúrbio de Ansiedade. Tive Depressão pós-parto. Porém, mesmo com tratamento, não consegui me livrar da Ansiedade.
Conversando com minha filha, ela me perguntou se eu tinha pensado na possibilidade de ter DDA.
Ela percebeu isso por minha imensa falta de atenção enquanto conversamos. Não é proposital. Simplesmente viajo, saio de órbita. Gostaria de informar melhor o meu caso. O que o senhor acha do que mencionei? Agradeço.

Resposta:

Não é raro se confundir transtorno de Ansiedade com TDAH. Também não é raro um paciente com TDAH sofrer de Ansiedade. Consulte um Psiquiatra com experiência em TDAH (ou DDA).

Posso tratar TDAH com remédios, tendo usado Cocaína no passado?

Pergunta 1:

Olá, tenho 28 anos e sou ex-usuário de Cocaína, usei durante 12 anos. Recentemente fui diagnosticado com TDAH e meu medico me receitou Venvanse 30 mg, comecei a tomar hoje.
Senti um efeito muito bom, mas depois de umas 3 horas senti um tipo de fissura querendo mais. Isso é questão de ajuste de dose, adaptação ou é um mau sinal?
E também gostaria de saber se pode tomar café preto durante?
Não tirei essas duvidas com meu psiquiatra porque ele entrou de férias.
Se puder me ajudar eu agradeço obrigado.

Resposta:

Infelizmente, pode ser um mau sinal. Provavelmente você precisa tratar teu TDAH com medicamentos não estimulantes (por exemplo, Wellbutrin, Pamelor, Tofranil) e/ou com Coaching.
Além disso, precisa ver se os sintomas que você tem são mesmo TDAH ou sequelas da Cocaína.

Pergunta 2:

Tenho um paciente que foi uma criança hiperativa na infância, porém não foi precocemente diagnosticada com TDAH e se tornou um usuário de drogas na adolescência.
Atualmente já adulto, é usuário de maconha e cocaína, apesar de ter sido diagnosticado como Bipolar, tenho dúvidas deste diagnóstico como definitivo, apesar de saber que o uso da droga pode ter funcionado aí, como gatilho.
Ele se apresenta alguns traços hipomaníacos, mas não depressivos (a não ser uma leve Depressão atípica: mau humor, irritabilidade, insônia) e ainda assim seus sintomas se confundem muito com efeitos das drogas.
O uso das drogas ilícitas já foi abusivo hoje, com a terapia poderia se dizer que estão em nível moderado.
O tratamento medicamentoso mais adequado seria o de Bipolaridade (Lítio ou Depakote) ou uma medicação mais específica para Hiperatividade, e no caso qual?

Resposta:

Geralmente o tratamento é focado no conjunto de sintomas mais evidentes no momento.
Ainda mais num caso desses, onde é muito difícil dizer onde acaba a Hiperatividade e onde começa a Hipomania (embora a Hiperatividade seja constante e a Hipomania seja em fases) assim como qual o papel das drogas no desencadeamento da eventual Bipolaridade.
De qualquer forma é muito perigoso dar Ritalina para quem gosta de cocaína, portanto imagino que o médico dele vá optar pelos Estabilizadores de Humor mesmo.
O fato dele estar usando drogas moderadamente não quer dizer que não esteja fazendo mal a ele, pois o cérebro acaba ficando sensibilizado, como no Efeito Kindling.

Pergunta 3:

Vou tentar resumir a história que ocorre comigo desde a minha infância. Quando era pequena pensava demais na invenção e soluções de tudo. Atitudes palavras, absolutamente tudo eu analisava.
E tinha um compromisso com a minha mente, chamava isso de trabalho.
Fui crescendo e quando descobria algo na minha cabeça, esquecia...
Passei a ter problemas familiares, mudei de cidade e perdi todos meus amigos.
A partir daí fui de mal a pior. Não ligava para nada.
Só queria pensar cada vez mais, apenas para mim, sempre me imaginava numa ilha numa casinha, sozinha.
Apenas pensando... Quando tinha uns 13 para 14 anos comecei a fumar maconha.
Aí foi a falência total.
As coisas que eu descobria conseguia lembrar apenas quando fumava... E o meu vício foi aumentando...
Passei a tomar remédios alucinógenos, toda semana, depois todos os dias.
Agora parei. Hoje em dia não consigo definir mais nada na minha vida.
Faço expressões com o rosto que são o contrário da minha vontade, não tenho paciência com as pessoas, não consigo expressar o que sinto e sempre sou julgada mal.
O que eu posso ter? Preciso de ajuda... Estou confusa

Resposta:

Obrigado pela confiança. Você não escreveu há quanto tempo parou as drogas nem quantos anos tem agora.
Mas as sequelas das drogas podem demorar muitos meses para passarem.
Caso um Psiquiatra realmente diagnostique TDAH em você, ele precisará ser extremamente cuidadoso para escolher o medicamento, pois quem abusou drogas pode ter maior probabilidade de abusar de Ritalina, Ritalina LA, Concerta e Venvanse também.

Déficit de Atenção não é diagnosticado pelo EEG nem Ressonância.

Pergunta 1:

Tenho uma dúvida em relação aos exames que diagnosticam o transtorno, quais são os mais eficientes? O EEG (Eletroencefalograma) ou SPECT?
Gostaria de parabenizá-lo pelo seu site que contém várias informações que me foram úteis na realização de um trabalho de inclusão social relacionado ao DDA (ou TDAH).

Resposta:

Douglas, nenhum exame de imagem diagnostica TDAH. O diagnóstico é feito exclusivamente pela anamnese (histórico) e pela observação.


Pergunta 2:

Estou com medo de levar o Eletrocardiograma (ECG) para a minha médica e ela falar que não posso tomar Ritalina, devido ao diagnóstico.
Estou me sentindo muito bem com a Ritalina, estou mais atenta, meu rendimento é bem melhor no trabalho, consigo ler um livro e lembrar o que está escrito.
Não sei se o meu exame está normal, então estou tomando meio comprimido da Ritalina de 10 mg, duas vezes por dia.
Mas, será que às pessoas que sofrem com qualquer problema cardíaco não podem tomar Ritalina?

Resposta:

Pressão Arterial alta pode aumentar com Ritalina, Ritalina LA, Venvanse e Concerta.
Algumas arritmias cardíacas também podem piorar com esses Psicoestimulantes.
Mostre o ECG para tua médica, você nem sabe se ele está alterado!


Pergunta 3:
Há cerca de 14 anos presto concurso, já prestei mais de 60 vezes e não consegui ser aprovado, mesmo estudando muito. Acontece que sempre que estudo parece que meus pensamentos ficam viajando.
Minha concentração e capacidade de armazenamento estão diminuindo cada vez mais.
Percebo que ao conversar, às vezes troco as palavras (Dislexia, eu acho).
Procurei um Neurologista pra que me receitasse Ritalina e ele mesmo pediu um exame conhecido por P300 e um Eletroencefalograma. Os dois deram normais, contudo, segundo o Neurologista, deu Eletroencefalograma (EEG) depressivo em um ponto ou outro.
Segundo o Neurologista é a falta de estímulo neural.
Iria me receitar cafeína, mas não posso, pois tenho crises de labirintite.
Então, o médico me receitou Paroxetina, usei 4 comprimidos, mas tive de suspender, pois os efeitos colaterais eram muitos.
O médico disse que só receitaria a Ritalina se eu fizesse primeiro uma consulta com um Cardiologista e trouxesse um relatório cardiológico.
Nesse caso, a Ritalina resolveria?

Resposta:

Claro que não posso afirmar se você precisa ou não Ritalina, mas procure um Psiquiatra. Nenhum exame indica necessidade ou não de Ritalina. A grande maioria das pessoas toma Ritalina sem precisar avaliação cardiológica. Isso depende da idade, do peso, do condicionamento físico, dos hábitos, da Pressão Arterial, etc.

Nem todos os pacientes de TDAH são agitados, muitos são só distraídos.

Pergunta 1:

Bem uma coisa eu tenho certeza, tenho um Déficit de Atenção muito grande. Não consigo encarar nenhuma tarefa por mais de 1 hora e às vezes passo dias (até semanas) viajando em como seria a minha vida se...
Ou outras viagens diferentes.
Este Déficit está fazendo a minha vida passar diante dos meus olhos e hoje com 28 anos me sinto em Depressão por não ter feito nada e ter perdido tanto.
Pergunta: o problema lendo os seus depoimentos é que a maioria cita Hiperatividade e, pelo contrário, eu sou super hipoativo, chego a ser chamado de preguiçoso e calmo demais (apesar da minha ansiedade).
Seria possível eu ter DDA (TDAH ou Déficit de Atenção ou Hiperatividade) mesmo com esta característica?

Resposta:

Claro que é possível. É por isso que o problema se chama Déficit de Atenção com ou sem Hiperatividade.
Muitos portadores não são hiperativos nem agitados, são mais do tipo sonhador, desligado, “mundo da lua”.


Pergunta 2:

Acredito ter TDAH e faço tratamento psicoterápico e farmacológico para tratar do problema (Rivotril 8 gotas antes de dormir). Porém, os resultados estão deixando muito a desejar.
Já li muito a respeito sobre o assunto na internet e cheguei a fazer alguns testes por conta própria. Me identifico demais com boa parte dos sintomas, mais acentuadamente na falta de atenção.
O uso da Ritalina está indicado somente para os casos de TDAH com Hiperatividade ou também nos casos onde a falta de atenção é o fator predominante sendo eu nesse caso hipoativo?

Resposta:

Realmente, se você tem TDAH, o Rivotril não ajuda quase nada, a não ser para melhorar o sono e ansiedade. Mas saiba que Ritalina, Ritalina LA, Concerta e Venvanse funcionam especialmente bem no TDAH “sem H”, ou seja, sem a Hiperatividade, só com essa hipoatividade.


Pergunta 3:

Olá, tenho 18 anos e me identifiquei muito com os sintomas de DDA (ou TDAH ou Déficit de Atenção com ou sem Hiperatividade).
Não consigo me concentrar nas coisas que deveria fazer, apesar de outras vezes conseguir passar horas e horas fazendo algo que me de prazer, sempre protelo os compromissos, deixo para estudar no dia da prova, faço os trabalhos na véspera, isso me atrapalha muito.
Sempre prometo a mim mesmo que vai ser diferente da próxima vez, mas nunca consigo começar, também sou muito desorganizado, vivo perdendo objetos e me esquecendo dos compromissos, sou distraído, é comum me encontrar durante a aula “brincando” com canetas, clips, papéis. Sou muito instável emocionalmente, e estou constantemente procurando algo para me preocupar.
Não consigo manter um relacionamento, facilmente me canso das pessoas. Sou assim desde pequeno.
Fiz tratamento para “Disritmia”, mas não obtive resultados, fui a um neurologista e ele descartou ser DDA (ou TDAH) por eu não ser hiperativo, e nunca ter tido problemas escolares, tive dislexia, mas minha mãe logo me encaminhar para uma fonoaudióloga, sempre fui muito bem nas matérias que despertam meu interesse, não preciso estudar muito para tirar boas notas.

Resposta:

Veja bem, nem todos os pacientes de TDAH são agitados, muitos são só distraídos, desatentos.
Por isso o problema se chama Déficit de Atenção COM ou SEM Hiperatividade!
O problema é exatamente o mesmo, com essas duas formas de manifestação. A maioria dos pacientes tem forma mista.
O DDA desatento, distraído, desconcentrado costuma melhorar mais do que o Hiperativo propriamente dito, com a medicação.

Como conviver com pessoa hiperativa ou com TDAH?

Pergunta 1:

Meu ex-marido tem Hiperatividade com Déficit de Atenção e trata com Ritalina há 3 anos. Há 6 meses teve sintomas de Depressão e o médico disse que talvez fosse a Ritalina a causadora da Depressão. Retirou-a de uma só vez e ele está muito mal.

Resposta:

Quando uma pessoa toma dose alta de Ritalina, Concerta, Venvanse, Ritalina LA sem pausa, por muitos meses, é possível deprimir, mas é bem improvável mesmo!
Não esqueça que Depressão é uma das comorbidades do TDAH. Podem ser dois problemas paralelos.


Pergunta 2:

Minha mulher usa Ritalina há 9 semanas para ajudar nos estudos para suas provas de Residência Médica.
Com o início da medicação o comportamento dela mudou gradativamente: paranóia, irritabilidade, isolamento, dores de cabeça e estômago, perda de apetite e queda de libido, virou outra pessoa.
O senhor creditaria isso tudo ao conjunto stress de provas mais medicamento?
Ela estuda 15 hs por dia, dorme 3 e come pouquíssimo.
A tendência é o psicológico dela voltar ao que era antes depois de tudo?

Resposta:

Bom, em primeiro lugar, Ritalina e outros Psicoestimulantes (Concerta, Ritalina LA, Venvanse, Stavigile) não deveriam ser usados para estudar mais a não ser que a pessoa sofra de TDAH.
A chance de ter esses efeitos colaterais aumenta, dependendo da sensibilidade individual e da dose de Ritalina.
Claro que dormir pouco, se alimentar mal e esse stress ajudam a piorar tudo.
Esse estado em que ela se encontra deve passar em poucos dias depois de interrupção da Ritalina.
Agora, se ela tiver alguma pré-disposição, pode ser que isso de prolongue e ela precise de tratamento.

Pergunta 3:

Tenho 34 anos, sou médica e recentemente procurei um Psiquiatra por apresentar intensa ansiedade, irritabilidade e preocupação excessiva com meus filhos.
Recebi o diagnóstico de DDA (é a mesma coisa que TDAH) e lendo o livro Mentes Inquietas me identifiquei com o tipo performático.
No entanto sempre fui aluna brilhante, nunca tive dificuldade de me concentrar nos estudos, sou desorganizada com minhas coisas pessoais, mas não na minha vida profissional, decoro com facilidade o nome de todos os meus pacientes e sei de todos os casos com detalhes.
É possível ter TDAH somente com Hiperatividade mental (minha mente não para), mas sem falta de concentração e com impulsividade somente em situações sociais que me permitem?
Exemplo: explodo facilmente com meus filhos e marido, porém sou calmíssima com meus pacientes ou pessoas estranhas, em qualquer circunstância.

Resposta:

Você pode ser ansiosa, explosiva, hipertímica (acelerada) sem ser DDA.
Essa facilidade para se concentrar nos estudos não sugere muito TDAH não.

© 2020 por mentalhelp