Perguntas e Respostas: 

Transtorno Obsessivo Compulsivo ou TOC e Dismorfia Corporal

1) TOC pode evoluir para Esquizofrenia?

Pergunta 1:

Existe ligação do Transtorno Obsessivo Compulsivo e a Esquizofrenia?
Pergunta:
A doença Obsessiva Compulsiva pode levar a uma Psicose?

Resposta:

Não, são duas entidades completamente diferentes. Às vezes um paciente de TOC tem sintomas ou rituais obsessivos tão bizarros que as pessoas pensam em Psicose.

Uma das várias diferenças entre Esquizofrenia e TOC é que o paciente de TOC sabe que as obsessões não fazem sentido, mas não consegue evitá-las.


Pergunta 2:

Minha mãe tem uma mania compulsiva de limpeza, ela vê germens em tudo, todos em casa precisa lavar as mãos antes de tocar em qualquer coisa que ela utilize principalmente na cozinha, além disso, ela tem mania de rezar o tempo todo, grita, repetitiva, pessimista e negativa, esta sempre nervosa e reclamando de tudo, implica com todos da casa, bate porta e quebra coisas quando muito contrariada.
Gostaria de saber se isso e realmente Transtorno Obsessivo Compulsivo? Gostaria de mais informações de como tratar, pois ela se recusa a ir a um Psiquiatra ou tomar remédios.

Resposta:

Provavelmente é um Transtorno Obsessivo Compulsivo sim, mas também pode ser uma Psicose. Somente uma consulta com um Psiquiatra poderá fazer esse diagnóstico diferencial.


Pergunta 3:

Sou Psicóloga e uma paciente minha teve diagnóstico de Esquizofrenia Paranóide e foi medicado com Melleril. Após entrevistas, anamnese e aplicação de testes projetivos, não identifiquei sintomatologia compatível com o diagnóstico. Estrutura egóica bastante preservada, assim como senso de realidade.
Queixa-se de pensamentos invasivos que a obrigam a contar e atribuir sortilégio aos números. O mesmo ocorre com cores. Estudante de Comunicação, não renovou matricula na faculdade, em função do medo dos números.

Evita sair de casa e quando sai, acompanhada, olha para o chão para não encontrar nenhum número ou cor.

No meu entendimento, trata-se de Diagnóstico de Transtorno Obsessivo, com indicação de suporte medicamentoso e Psicoterapia Comportamental. Acrescentando, há histórico de hipertireoidismo, diabetes, epilepsia na família.

Resposta:

Sua hipótese diagnóstica de TOC faz muito sentido, pelo que você escreveu. Nesse caso o Melleril não ajudaria nada. Mas ele tem consciência do absurdo dos pensamentos, certo? Essa é a grande diferença entre TOC e Psicose.


Pergunta 4:

Tenho me preocupado muito com o que os outros acham de mim, principalmente após fazer algo errado (ou achar que foi errado), fico pensando que várias indiretas em redes sociais, podem ser para mim, tento decifrar e fico desconfiado, acho que esses pensamentos não tem sentido, mas mesmo assim fico pensando se são ou não ou para mim, tenho tido dificuldade na concentração em geral.
Pode ser Esquizofrenia? Ou TOC? Obrigado.

Resposta:

O mais provável é que sejam Pensamentos Obsessivos, que são sintomas do TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), pois você tem crítica, enquanto que na Esquizofrenia a pessoa realmente acredita na realidade dos pensamentos.

Mas, existem Psicoses mais leves em que o paciente conserva a crítica com relação aos Pensamentos.
Caso você use alguma droga, aí sim, poderíamos pensar em sintomas psicóticos.
O melhor é você procurar um Psiquiatra, diagnosticar e tratar.


Pergunta 5:

Sofro com Pensamentos Obsessivos e a doutora me passou Risperidona, porém estou com medo, pois na bula é pra Esquizofrênicos e eu não sou esquizofrênico. Será que com o tempo tomando Risperidona posso pegar Esquizofrenia?
Tomei ontem fiquei um pouco agitada e confusa.

Resposta:

Risperidona e outros Neurolépticos podem sim serem usados em TOC, mesmo não tendo nada a ver com Esquizofrenia. O remédio não vai te deixar esquizofrênica, não se preocupe.

Pergunta 6:

Desde os 14 anos que sofro com TOC, na época com rituais sinais como apagar a luz várias vezes, abrir e fechar portas, torneiras, andar e voltar, reescrever palavras, etc.
Fui tratada somente com terapia, melhorei, mas voltou forte tipo hipocondria, tomei Paroxetina 2 meses e parei.

Agora voltou mais forte, com tiques vocais e faciais, manias, medos irreais, medo de fazer mal às pessoas e dúvidas.
Estou tomando Luvox 100 mg há 3 meses, até agora tive pouca melhora, será que pode evoluir para Esquizofrenia?

Resposta:

Não evolui para Esquizofrenia, não se preocupe. Mas claro que você tem que ficar boa. Se da outra vez você melhorou com Paroxetina porque não repetiu?

Três meses de Luvox já era para ter melhorado. Por outro lado, a dose de 100 mg costuma ser muito baixa para tratar TOC.

E muitas vezes a melhora é mais completa ainda se associar um Neuroléptico, ainda mais com esses tiques vocais e uma Terapia Comportamental.

2) TOC e Pensamentos Obsessivos de conteúdo sexual

Pergunta 1:

Na verdade faço tratamento de TOC há anos e o problema ameniza, mas resolver não resolve, pois logo meu organismo se acostuma com a medicação e os sintomas voltam e às vezes mais violentos ainda.
Aí aumenta medicação, troca medicação e eu sofro muito, fazendo sexo tanto mentalmente como fisicamente, limpando o que está limpo, mas que penso estar sujo, sempre só e envergonhada por querer sempre, mais mais mais.

Já teve médico que não me entendeu me achou sem vergonha.

Resposta:

Você não escreveu que medicamentos tomou, geralmente se trata TOC com antidepressivos. Mas quando existem Pensamentos Obsessivos inclusive de natureza sexual, deve-se tentar neurolépticos.


Pergunta 2:

No princípio tudo começou com medo de olhar para pessoas, abrir revistas até mesmo a Bíblia, que gosto muito de ler. Depois foi piorando não podia tocar ou passar perto de alguém que vinha na minha mente que estava querendo fazer mal a ela que eu queria satisfazer um desejo sexual. Isso era e é horrível.

Imaginava ter inseto em cima de mim e várias vezes sacudia a roupa, tudo que tocava era como se fosse relacionado a sexo e depois disso vinha uma culpa? Tenho TOC?


Resposta:

É bem possível sim que você tenha Pensamentos Obsessivos, que fazem parte do TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) sim. Procure um Psiquiatra.


Pergunta 3:

Queria saber se o que tenho é uma doença ou Transtorno de Personalidade. Tenho compulsão sexual, conto tudo que seja simétrico, tipo janelas iguais, pisos, formas geométricas, formas, prumos de paredes, quinas, postes, tudo!

Conto placas de carros comparando números e letras, tenho compulsão por jogo, não consigo parar, e agora pra piorar, estou em depressão muito forte.
Minha libido está quase zero, a memória despencou, sinto fraqueza e muito desânimo, não tenho concentração e sinto ansiedade para tudo que vou fazer. Por favor, me ajudem.

Resposta:

É bem possível sim que você tenha TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) sim. Procure um Psiquiatra.


Pergunta 4:

Cheguei ao meu limite e preciso de sua opinião. Fui molestada sexualmente pelo meu pai na infância, casei muito nova e grávida; minha vida com meu primeiro marido foi péssima, pois tinha um ciúme doentio dele, ficava fantasiando e nada parava minhas fantasias, resultando em muita violência e separações.

Estou no meu segundo casamento e o ciúme está cada vez pior; cheguei ao cúmulo de receber uma ligação no meu celular por engano, em seguida a pessoa ligou dizendo que meu celular era parecido com o da filha; fiz toda fantasia de traição, transformei a vida dela num inferno, surtei, até que o marido dela colocou um limite.

Não vivo mais, vegeto, não consigo sair da cama, tenho horror de sair de casa...
Além disso, tenho fixação pelo número 7, porque uma vez eu contei às pessoas que eram importantes para minha vida e dava este número.
Tenho que colocar tudo em pares, caso não coloque penso que os objetos estão me traindo.

Preciso contar quanto quadrados os objetos têm.
Se não fizer isso sinto que minha filha vai sofrer as conseqüências.

Trato desde os 18 anos, vou à Psiquiatra e tomo Lexapro 10 mg, Apraz 0,25 mg pela manhã e à tarde e apraz 1 mg para dormir (aperto muito os dentes e o Apraz ajuda no Bruxismo) e vou à Psicóloga uma vez na semana.

Já mudei vários medicamentos, de Sertralina, Efexor e tantos outros que não lembro mais.
Peço que meu e-mail seja respondido, não sou de trocar de médico, mas estou cansada de lutar e isso me preocupa. Essa doença pode ser considerada TOC?

Resposta:

É mais provável ser Ciúme Patológico mais um quadro de TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo).
Não desista de se tratar só porque os Antidepressivos não funcionaram. Provavelmente se tua Psiquiatra acrescentar um Neuroléptico ao Antidepressivo vai ajudar.

Psicoterapia você já faz e deve continuar.


Pergunta 5:

Oi gente, meu nome é Mônica e eu tenho 18 anos. Sofro com TOC desde os 16 e isso me machuca muito. Tenho pensamentos de caráter sexual, que envolvem religião. Sabe, né? Pensar naquilo com quem não de deve: (Deus, Jesus, Diabo, familiares e etc.).

Tenho sofrido muito com isso, porque às vezes não sei se isso é apenas um transtorno ou se é realmente um desejo meu. Tenho medo do futuro, medo de me casar, de ter uma família, e nunca mais poder ser feliz. Tenho muitos sonhos, mas acho que nunca vou conseguir realizá-los. O que eu faço? Será que estou desrespeitando a deus? Alguém pode me ajudar? Tenho medo de que isso me persiga pelo resto da minha vida.

Já tentei cometer o suicídio. Não aguento mais. Será que isso é mesmo normal?

Resposta:

Monica, se você sofre de TOC, é comum ter esses pensamentos sexuais com as mais variadas pessoas, pensamentos esses que você sabe que não fazem sentido, mas não consegue evitar.

É por isso que eles se chamam Pensamentos Obsessivos.
Mas não se preocupe que com tratamento eles vão embora. Procure logo um Psiquiatra. Boa sorte.

3) Tratar TOC com Anafranil, Clo, Clomipramina.

Pergunta 1:

Estou em tratamento com Clomipramina (Anafranil) por apresentar sintomas de Transtorno Obsessivo Compulsivo. Uma idéia que anda me aborrecendo é se estou sendo covarde por usar medicamentos para isto ou se deveria segurar somente com Psicanálise.
Por que os Psicólogos não gostam de Antidepressivos e criticam as pessoas por usá-los como ajuda. Até que ponto tudo isto é certo ou errado?

Resposta:

Hoje em dia, cada vez menos Psicólogos são “contra remédios”. Claro que existem aqueles que acham que conseguem tratar qualquer doença com Psicoterapia, mas são cada vez menos.

Agora, porque tua Psicóloga especificamente é contra, você precisaria perguntar para ela.
Inclusive se ela garante que o TOC não volte se você parar o Anafranil e continuar apenas com a Psicoterapia.

Quanto “tomar remédio ser uma covardia”, isso é uma bobagem sem tamanho.


Pergunta 2:

Estou tentando ajudar uma amiga, que tem um filho de 9 anos, muito inteligente que há 3 meses vem apresentando rituais de guardar coisas velhas e achadas na rua. Passou por 3 Psiquiatras Infantis, que são excelentes e diagnosticaram como TOC.
Iniciou com Risperidona meio comprimido e Anafranil 25 mg e agora toma 1 mg de Risperidona e 75 mg de Anafranil, apresentou leve melhora.

Ainda não iniciaram a terapia cognitiva só conversa com os Psicólogos. Só que os rituais são acompanhados de querer voltar o tempo, realizar coisas exatamente como aconteceram, momentos de agressividade, os médicos não conseguem avaliar o que pode ser.

Pede várias vezes desculpa ao pai e a mãe pelos transtornos causados. O que fazer? O que pode ser?
Por favor nos ajudem! Se possível, gostaríamos de saber se é possível conversar por telefone ou pessoalmente, qual o número do telefone para marcar uma consulta e qual é o preço da mesma? Agradeço muito.

Resposta:

Prezada Marina, o diagnóstico pode ser TOC mas, sem ver a criança, não é possível afirmá-lo. Caso queira trazê-lo para uma consulta, o telefone do meu consultório é 011-3097-8513. Atenciosamente, Dra. Susan Mondoni.


Pergunta 3:

Sou portador de TOC, tomo Fluoxetina 40 mg de manhã e 20 mg ao meio dia, já faz uns 7 meses mas não me sinto bem ainda pois tenho vários sintomas. Meu médico disse se eu não melhorasse iria me receitar junto com Fluoxetina o Anafranil.

Tenho periodontite nos dentes (perda óssea), o Anafranil prejudica?
Tenho ganho de peso, com doses baixas de Anafranil vou engordar?
Não existe outro medicamento que seja tão eficaz para o TOC e que eu possa tomar junto com Fluoxetina?

Muito obrigado!

Resposta:

A Anafranil (Clomipramina) não provoca periodontite mas pode secar a boca e a saliva é uma grande protetora dos dentes, portanto capriche na higiene bucal.

Ganho de peso: leia a página de Efeitos Colaterais de Antidepressivos.
Com relação a escolher outro medicamento no lugar do Anafranil, claro que existem opções, as quais não posso indicar pois não te conheço pessoalmente, mas saiba que o Anafranil, mesmo depois de uns 50 anos continua sendo considerado um dos campeões no tratamento de TOC.


Pergunta 4:

Há uns 4 anos tive uma Depressão forte, que me custou não conseguir concluir meu curso de graduação e perder meu namorado. Nesta época consultei um médico que me prescreveu Fluoxetina 50mg, Buspirona e Risperidona, além de um outro medicamento para dormir que não me lembro.
Meu pais, preocupados com tantos medicamentos, pediram para eu consultar outro médico e pedir uma segunda opinião.

Este outro médico me prescreveu Anafranil. Porém, com o tempo a dosagem chegou a 75mg, me dava muita tontura e incontinência urinária a noite, então depois de uns 2 anos parei por conta.

Meu erro, eu sei. Passando mais um tempo comecei a me sentir muito mal e infeliz. Voltei no primeiro médico, este me receitou Fluoxetina 80mg, já que esta em altas doses também ajudava a emagrecer, uma vez que com o Anafranil eu engordei muito.

Tomei por um tempo, mas meus colegas e amigos achavam muito alta a dosagem. Outra vez fui ao médico que havia me indicado o Anafranil e contei que eu havia parado com a medicação, os motivos e falei sobre a Fluoxetina.

Ele me indicou então Fluoxetina em cápsulas, mas só 20mg, pois essa era a dosagem inicial.
Não gostei muito da medicação, me dava azia, mal estar, hipotensão ortostática e muita tremedeira, além de um provável efeito psicológico que eu tinha de que não iria funcionar por ser muito pouco. Parei novamente.

Ano passado resolvi que queria me curar e voltei a este médico, e mais, decidi conversar mais com ele para podermos entrar em consenso sobre a minha real doença e sobre o que eu deveria fazer uma vez que sou farmacêutica e acredito que tenho competência para discutirmos o assunto.

Ele me disse que tenho TOC e Depressão e que preciso fazer mais atividades porque sou uma pessoa ansiosa. Me prescreveu Zetron 150 mg (cloridrato de Bupropiona) e Frontal 0,5mg (Alprazolam) para eu tomar apenas quando estivesse me sentindo muito ansiosa.

Estava muito bem, estável há 1 ano e meio mais ou menos. Mas nesse último mês comecei a me sentir mal novamente, infeliz e meio que sem acreditar muito no futuro.
Hoje fui a minha consulta mensal, conversamos e ele me prescreveu Lamitor juntamente com o Zetron, começando com 25 mg e para eu ir aumentando aos poucos.

Nossa... Já escrevi quase uma página... Bom, a pergunta é a seguinte: isso tudo pode ser apenas um Distúrbio de Humor, sendo que eu possa ser Bipolar?

Ou é realmente Depressão que está controlada e que é normal ter uma recaída leve? E tudo isso pode estar associado com o TOC, algo que eu já melhorei uns 90 porcento? Isso tudo está me confundindo devido a prescrição do Lamitor, já que é para controlar minhas mudanças bruscas de humor e minha inexplicável irritabilidade. Agradeço pela atenção.

Resposta:

Melissa, eu adoraria poder diagnosticar e sugerir uma conduta apenas por e-mail, mas infelizmente não dá. Você escreveu bastante sobre os efeitos colaterais mas pouco sobre os sintomas...


Pergunta 5:

O Anafranil é realmente o mais indicado para o tratamento de TOC?

Resposta:

Anafranil (Clomipramina) é um dos mais eficazes para tratar TOC sim.


Pergunta 6:

Tenho 23 anos e sofro de Transtorno Obsessivo Compulsivo há quase três anos. Comecei a fazer tratamento há dois meses, com Anafranil 25 mg e terapia. Acho a dosagem de remédio muito pequena, gostaria de tomar outros, apesar de já estar sentido algumas melhoras. Anafranil 25 mg e terapia é mesmo suficiente?

Resposta:

Geralmente para Transtorno Obsessivo Compulsivo a dose de Anafranil de 25 mg é muito baixa.


Pergunta 7:

Meu filho é um maravilhoso jovem de 18 anos que tem reagido com muita coragem como portador de TOC desde os 12. Após uma Depressão forte com surto psicótico iniciou tratamento com Clomipramina, Rivotril, Haldol, Akineton.
A Clomipramina em excesso desencadeou como efeito colateral episódios de mania (euforia) onde se tornava extremamente ansioso e agressivo. Com Valproato junto, não resolveu nada, o que fez perceber que era o excesso da Clomipramina que o deixava assim.

Trocamos para Anafranil, não deu certo e agora estamos com Fluoxetina, Rivotril, Tegretol, Zyprexa e Cinetol. Só que ele começou agora com tiques que nunca teve!

Ele tem muita vergonha dos tiques, quase não sai de casa e sofre muito pela falta de amigos, também sua concentração caiu muito na escola, parou de estudar por 3 anos e agora para terminar um simples supletivo está muito difícil.

Pergunto: os tiques podem ser efeito colateral de alguns destes medicamentos? Se não puder citar nomes, apenas diga as substâncias, para que eu me direcione melhor. Obrigada, Deus abençoe vocês.

Resposta:

Nenhum desses medicamentos provoca tiques. Mesmo o Zyprexa muito raramente pode provocar contrações musculares, que seriam anuladas com o Cinetol. A Fluoxetina mais raramente ainda, mas existem alguns casos na literatura médica.

Por outro lado, seria interessante rever o diagnóstico. TOC, depois Depressão com surto psicótico, depois uma mania quando tomou Anafranil, converse com o Psiquiatra dele sobre um diagnóstico que englobe todos esses sintomas.

Provavelmente ele precisa de um Estabilizador de Humor.


Pergunta 8:

Tenho 14 anos e há 6 meses comecei a ter manias causadas por medo que alguma coisa ruim aconteça comigo e principalmente com a minha família. Tenho medo que minha mãe ou meu pai morram e por isso, comecei a arrumar tudo várias vezes.
Minha mãe, percebendo isso foi ao médico. Comecei o tratamento tomando Anafranil, depois ao retornar ao médico, pois o remédio tinha provocado efeitos colaterais, o médico mudou para Aropax mas, me sentia muito irritada e todos ao meu redor diziam que eu estava agressiva.

Brigava muito com a minha mãe. Assim, meu pai achou que é o remédio que não estava me fazendo bem.

Parei de tomar o remédio e estou fazendo apenas terapia. Isso é muito ruim para mim, pois vivo em função dessas manias e sou muito perfeccionista. Estudo geralmente 8 horas por dia. Queria saber se só com a terapia posso melhorar? Isso tem cura? Quanto tempo demora, geralmente?

Resposta:

Essas manias de arrumação podem fazer parte de um TOC. Geralmente só Psicoterapia não costumam passar, mesmo que você faça a Terapia Cognitivo Comportamental, que é diferente de terapia analítica.

Se você teve intolerância ao Anafranil e Aropax existem muitos outros medicamentos que podem ajudar. É questão de encontrar o ideal para seu organismo de modo que você fique boa sem efeitos colaterais.

Por outro lado, você não escreveu que efeitos colaterais você sentiu com o Anafranil, quase sempre eles podem ser evitados e/ou tratados.

4)Tratar TOC com Escitalopram, Lexapro, Reconter, Citalopram, Procimax

Pergunta 1:

Gostaria de saber se o Lexapro de fato é um dos antidepressivos de sua categoria mais eficaz no TAG, TOC e Transtorno de Ansiedade com menor incidência de sintomas colaterais. Me preocupam mais retardo ejaculatório e distúrbios de sono.

Agradeço pela atenção e me preocupo muito com o tema sono.
Tenho TAG e TOC e estou prestes a iniciar o tratamento com o remédio.

Resposta:

O Lexapro é um bom medicamento para tratar TAG (Ansiedade Generalizada) e TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) e tem poucos efeitos colaterais sexuais e no sono, bem menos que uma Paroxetina, por exemplo.

Mas se o Lexapro vai ser um bom medicamento para você, depende de muitos fatores, nem sempre previsíveis.

Não existe um medicamento ideal para todas as pessoas.


Pergunta 2:

Gostaria de saber se o medicamento Lexapro e o Abilify são recomendados para o tratamento do TOC crônico, refratário; e qual seria a dosagem ideal para remissão de sintomas. Obrigado!

Resposta:

Sim, Lexapro (Escitalopram, Exodus, Reconter, Sedopan, Serolex, Escilex, Esc, Neuropram, Espran, Astrale) a Abilify (Aripiprazol, Aristab) podem ser boas opções para tratamento de TOC.

As doses dependem de muitos fatores individuais, não existe uma tabela. Mas geralmente o Lexapro acima de 15 mg e o Aripiprazol acima de 15 mg.


Pergunta 3:

Gostaria de saber se existe alguma relação entre TOC e Narcolepsia... Tenho dormido demais, chego a dormir o dia inteiro e sou portador de TOC diagnosticado há mais de 10 anos, agora apresentando esta sonolência irresistível e preguiça, além de dormir demais...

Ou também se algum medicamento pra TOC pode desencadear tal problema, tomo Lexapro 20mg/dia e Olcadil 1mg/dia há mais de 2 anos...

Desde já meu sincero agradecimento e admiração pelo trabalho realizado!

Resposta:

Geralmente não existe relação, mas o paciente pode ter esses dois problemas.
Considerações: Narcolepsia costuma aparecer na infância e ela se caracteriza por ataques de sono, não sonolência constante.

Lexapro e Olcadil depois de muito tempo podem provocar sonolência diurna.

Sonolência diurna também pode ser causada por Apneia do Sono, que é diagnosticada pela Polissonografia e geralmente (mas nem sempre) é acompanhada de sobrepeso.


Pergunta 4:

Tomo Citalopram 20 mg para Fobia Social há cerca de 1 mês. Mas tenho um problema que me acompanha nos últimos 2 anos, uma espécie de cisma com todo tipo de medicamento que tomo. Já começo a tomar e pesquiso sobre o mesmo na internet e fico com a cisma de que estou tendo colaterais.

Tomava um medicamento que li por alto um cara comentando que dava confusão mental e perda de memória. Toda hora que sentia algo do tipo, culpava o medicamento. Até parar de tomá-lo. Isso seria TOC? O Citalopram também ajuda nisso?

Resposta:

As pessoas muito obsessivas e perfeccionistas, que procuram efeitos colaterais nas bulas e não percebem que alguns colaterais são comuns, outros são raros, outros são raríssimos e outros são apenas relatos isolados acabam prejudicando todos os seus tratamentos.

Os médicos costumam se irritar pois as explicações nunca são suficientes para convencer o paciente a tomar determinado remédio.

Se isso que você tem é um quadro clínico de TOC ou se é apenas um traço obsessivo de sua personalidade, só teu médico pode afirmar. Mas o Citalopram pode ajudar em ambos os casos.

5) Tratar TOC com Fluoxetina, Prozac, Verotina, Eufor, Daforin

Pergunta 1:

Doutor, tenho 22 anos e há 2 anos, após dois meses de sessão, fui diagnosticado por minha psicóloga como portador de TOC. Na realidade eu já sabia, porque as compulsões já tinham certa severidade e eu sempre fui muito curioso então procurei sobre na internet. Fui encaminhado para um psiquiatra (particular, consulta bem cara, mas bom profissional). Foi-me receitado 20 mg de Fluoxetina e era para eu aumentar mais 20 depois de 15 dias. Voltei para o médico no mês seguinte tomando 40 mg/dia e disse que ainda tinha compulsões (mesmo a terapia medicamentosa e psicoterápica tendo me ajudado até então) e ainda tinha muitos pensamentos obsessivos. Ele decidiu subir para 60 mg/dia mas eu comecei a sentir uma dor de cabeça horrível.

Tentei até tomar meio que forçando durante 15 dias pra ver se os efeitos passavam, mas não passou. Ele decidiu então mudar o medicamento e me passou Sertralina 50 mg. Foi a mesma história, subimos até a dose de 200 mg/dia gradualmente, porém a Sertralina não me deu dor de cabeça insuportável, ela simplesmente não fez nada com meu TOC além de me deixar completamente "zumbi", dormindo umas 10 horas por dia. Voltei pro psiquiatra decidido de que teríamos que achar uma medicação definitiva ou não sabia o que poderia fazer. Nessa última consulta eu conversei durante duas horas mais ou menos. Ele comentou de voltar com a dose de 40/mg de Fluoxetina e colocar Risperidona em doses baixas, mas como eu tenho uma tia esquizofrênica que passou muito mal com remédio (ela só se deu bem com Haloperidol e hoje está estabilizada) eu fiquei com pé atrás e perguntei se haveria alguma alternativa fora dos antipsicóticos. Me foi receitado Clomipramina 50 mg. O doutor disse para ir aumentando 50 mg a cada duas semanas e parar quando eu me sentisse mal dos efeitos colaterais ou quando chegasse a dosagem de 200 mg/dia. Porém, quando cheguei aos 100 mg por dia eu começava a sentir efeitos colaterais. Ele então decidiu aumentar pra 125 mg/dia, fiquei três semanas com essa dosagem. Tive bastante melhoras nas compulsões, mas os pensamentos obsessivos sobre morte e agressão continuaram, assim como eu estava me sentindo bastante deprimido. Então ele falou: vamos associar Fluoxetina e Clomipramina. Então comecei a tomar 40/mg de Fluoxetina quando acordava e 125 mg de Clomipramina antes de dormir. Estou nisso faz dois meses e tenho me sentido MUITO BEM. A questão é a seguinte: vagamente fuçando na bula da Fluoxetina, vi que ela não pode ser administrada com antidepressivos tricíclicos (que seria o caso da Clo). Li também sobre síndrome serotoninérgica, mas não estou tendo nenhum sintomas. Como só volto no meu psiquiatra daqui 2 meses (até por motivos financeiros), gostaria de saber se há motivo para me preocupar, se a administração desses dois medicamentos precisa de um acompanhamento médico periódico, digo, ficar fazendo check-up sempre? Desde já, obrigado e Deus lhe abençoe

Resposta:

Síndrome Serotoninérgica ou Hipertermia Maligna felizmente é muito rara e os sintomas são tão graves que se você tivesse mesmo o começo de uma, já teria percebido.

Muitos pacientes tomam essa combinação de Fluoxetina e Clomipramina, pois TOC é quase sempre difícil de tratar.
Fico feliz que você está bem, espero que continue cada vez melhor.


Pergunta 2:

Desde criança, por volta de 6 ou 7 anos se bem me recordo, apresento algumas manias. Na época, por exemplo, antes de dormir, desligava e religava a luz diversas vezes até que conseguisse afastar pensamentos trágicos quanto à minha integridade física, de meus pais e amigos. Ao beber qualquer líqüido, somente ficava aliviado quando tomava um determinado número mágico de goles.

Gostava de arrumar as minhas coisas milimetricamente. Colecionava revistas em quadrinhos e livros de forma compulsiva. Ao levantar ou sair de casa, somente o fazia com o pé direito à frente etc.

Com o passar dos anos algumas manias sumiram (a de apagar e reacender a luz, por exemplo), Mas somente porque foram substituídas por outras.
Há mais ou menos 07 anos, descobri que tenho Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). As minhas manias passaram a ser as seguintes:

Organizar os livros milimetricamente na estante, a ponto de notar quando a pessoa que faz a limpeza os retira do lugar, mesmo quando diz que os deixa da forma em que os encontrou.
Organizar de forma obsessiva meus arquivos de computador, em casa e no trabalho, excluindo e renomeando pastas e arquivos, a ponto de, há uns 15 dias, ter feito isso das 17 horas de um dia às 2 horas da manhã seguinte (9 horas seguidas).

Ao salvar arquivos e pastas, tenho predileção por números específicos (03, 07, 09, 10, 17, 19, 34, 37, 42, 73 etc.), Talvez porque nasci em 07/03/1973 e minha mãe em 09/02/1942; faço isto a ponto de alterar relógio do computador para que os arquivos sejam salvos na hora e minuto que me deixam tranqüilo, além de salvá-los em vários CDS (3), pen drives(4), além de 1 HD externo, para não perdê-los.

No trabalho, organizo as pastas de processos de forma que as páginas ficam parecendo um livro, chegando a recortar e perfurar as folhas até que atinjam a perfeição
Ao tomar banho, demoro 30 ou 40 minutos e somente termino quando aparece uma sensação inexplicável de limpeza

Ao sair de casa, procuro arrumar tudo que está desorganizado, olhando embaixo dos móveis e me certificando de que não esqueci nada importante, além de retornar, às vezes, para ver se fechei a porta e o portão.
Antes de colocar minha roupa para lavar, reviro diversas vezes os bolsos para ver se não deixei nada neles
Ao comprar qualquer produto, procuro as mínimas imperfeições para corrigi-las ou deixar de comprar o bem
Ao ler qualquer livro ou revista, retorno diversas vezes a parágrafos anterior para me certificar que fixei bem o que estava lendo; nem sempre consigo, é claro

Enfim, tenho diversas manias de organização (de medicamentos a ferramentas), além de diversos pensamentos mágicos.

Procurei um profissional médico que me receitou cloridrato de Fluoxetina. Obtive uma melhora palpável; entretanto, após 3 meses, deixei de tomar o medicamento porque houve uma redução acentuada do apetite sexual.

Pensei que o sacrifício seria desproporcional. O problema é que as manias estão piorando.
Além disso, estou mais ansioso, facilmente irritável e extremamente estressado. Há períodos em que fico mais tranquilo, mas há períodos em que fico extremamente nervoso e há outro em que consigo identificar uma tristeza profunda, com um nó na garganta e até vontade de chorar, sintomas parecidos com a Depressão.

Meus questionamentos são: o tratamento com a Terapia Cognitivo Comportamental é eficiente/eficaz?
Se tiver que voltar a tomar o medicamento, por quanto tempo isto se daria?
É comum as manias serem substituídas por outras? A ansiedade, a irritabilidade, o estresse, a Depressão e a alternância da tranqüilidade para a irritabilidade ou a Depressão são comuns no TOC? Agradeço a atenção dispensada.

Resposta:

Você tem um senhor TOC heim?

A TCC (Terapia Cognitivo Comportamental) pode ser muito útil, mas num TOC tão amplo e com tanto tempo de evolução, é improvável que resolva todos os sintomas sozinha.
É quase certo que você vá precisar também de medicação, lógico que não precisa ser Fluoxetina (Prozac, Verotina, Eufor, Daforin), pois ela prejudicou muito tua libido.

Existem outros Antidepressivos e/ou Neurolépticos que podem te ajudar sem prejudicar a libido.
Provavelmente você precisará de medicação e TCC por anos.
Sim, a Irritabilidade e a Depressão podem fazer parte do teu quadro clínico.


Pergunta 3:

Doutor Rubens Pitliuk, boa noite. Comecei tratamento, tomo de manha a Fluoxetina e à noite Risperidona, pois trato TOC e Pensamentos Obsessivos, porem esses remédios estão tirando meu sono.

Gostaria de saber se posso tomar outro remédio para dormir à noite, chama se Ciclobenzaprina.

Resposta:

A Risperidona não tira o sono, pelo contrário, ela pode dar sono, a não ser que esteja te provocando sintomas extrapiramidais (leia Impregnação).

A Fluoxetina geralmente não dá nem tira o sono, mas muitos pacientes sentem que o sono melhora se inverterem o horário (no seu caso, passar a tomar à noite).

Mas você deveria discutir esses efeitos colaterais com seu médico, inclusive se pode ou não tomar Ciclobenzaprina (Miosan, Musculare, Cisax, etc.).


Pergunta 4:

Tenho 39 anos e nunca apresentei nenhum sintoma próximo da Depressão. Adoro viajar, fazer trilhas, curtir natureza, já fiz rappel, rafting, vôo de ultraleve e o único medo que senti foi aquele normal, que todo mundo tem quando entra numa montanha russa.

Mês passado tive assim, no meio do nada uma crise de Pânico. Até diagnosticarem passei por uma série de exames para detectar que tenho saúde perfeita. Tive uma recaída semana passada mas foi bem mais fraca, sabendo do que e tratava consegui me controlar melhor.

O Psiquiatra me passou Rivotril e Fluoxetina e insistiu que tenho TOC mesmo sem eu ter identificado nenhum dos sintomas. Minha pergunta é: posso me livrar dessa Síndrome sem medicamentos?

Resposta:

Pânico é Pânico, Transtorno Obsessivo Compulsivo é Transtorno Obsessivo Compulsivo. Transtorno Obsessivo Compulsivo pode ter ataques de Pânico. Transtorno Obsessivo Compulsivo não costuma começar aos 39 anos. Sem diagnóstico exato, como saber o tratamento necessário?


Pergunta 5:

Tenho sintomas e manias de TOC desde criança. Depois que eu tomei uma caixa e meia de anticoncepcional Selene para regular a menstruação, a Depressão voltou e ainda os Pensamentos Obsessivos e algumas manias.

Estou tomando Fluoxetina 10 mg pela manhã e 10 mg à noite, a dose está correta? Tem 15 dias que eu tomo 10 mg e não melhorou, aí aumentei para mais 10 mg à noite. O remédio demora a fazer efeito ou posso aumentar a dose, fico com ânsia de vômito e dor no peito pode ser do remédio?

Resposta:

TOC costuma precisar de dose bem maior de Fluoxetina. Ela pode demorar de 3 a 8 semanas para melhorar o TOC. Além da TCC (Terapia Cognitivo Comportamental) que você deve ter lido na página de TOC.

E às vezes, associada (a Fluoxetina) a um Neuroléptico. O anticoncepcional pode provocar Depressão. Esses efeitos não costumam ser da Fluoxetina.


Pergunta 6:

Tomo 30mg de Fluoxetina pela manhã para TOC, a dose é suficiente? Tenho também Depressão mas não estou vedo resultado, tem 1 mês que tomo 20 mg e 7 dias 30 mg. Agradeço desde já.

Resposta:

Para Depressão a dose de 20 mg pode ser suficiente (mas não está sendo para você). Para TOC, quase sempre precisa muito mais do que 20 ou 30 mg. Um mês é tempo suficiente para ver se está funcionando. Portanto, discuta com teu Psiquiatra se Fluoxetina é teu remédio ideal, se essa dose é suficiente e se a marca da Fluoxetina que você está comprando é boa.

6) Tratar TOC com Luvox

Pergunta 1:

Olá, faço tratamento para TOC há mais de 5 anos e tomava Zoloft 100 mg e Wellbutrin 150mg. Estava bem mas mudei de cidade e precisei mudar de médico. O novo psiquiatra disse que essa medicação está ultrapassada e o ideal para mim seria trocar o tratamento para o Luvox, 100mg. Tenho dúvidas quanto as reações adversas. Será que o Luvox é mesmo melhor que o Zoloft?

Resposta:

Não existe medicação ultrapassada, existe medicação que funciona.
Se um paciente está tratando TOC com Wellbutrin e Zoloft, ou qualquer outro medicamento, está bem, sem efeitos colaterais nem alterações nos exames de sangue, provavelmente não precisa mudar de medicamentos.

O Luvox é muito eficaz para tratar TOC, mas não quer dizer que vai ser melhor do que o Zoloft para um determinado paciente.


Pergunta 2:

Sou paciente de um psiquiatra, pois tenho TOC. Recentemente mudei minha medicação para Luvox e Topamax, pois o médico disse que seria uma prescrição melhor, no entanto estou sem conseguir raciocinar, com a memoria fraca, tonto. E raciocínio já era uma das minhas paranoias! Eu queria saber quanto tempo duram esses efeitos colaterais desses remédios.

Desde já agradeço

Resposta:

Você não escreveu que dose de Luvox e Topamax está tomando. Mas geralmente lentificação de raciocínio, falta de concentração e falhas de memória são efeitos colaterais (depende da dose) do Topamax e não do Luvox.

7) Cá estou eu, com pensamentos fixos, sem nexo, sem utilidade nenhuma, irreais e ainda por cima absurdos.

Pergunta 1:

Venho tendo medo constante de poder fazer mal a alguém, porém, antes, eu nunca tive esses sentimentos. Gostaria de saber a que tipo de patologia esse tipo de sentimento está ligado. Grato

Resposta:

Pensamentos que a pessoa sabe que não fazem sentido mas não consegue tirar da cabeça se chamam Pensamentos Obsessivos e podem fazer parte do TOC ou Transtorno Obsessivo Compulsivo. É uma das possibilidades, mas não posso fazer diagnóstico apenas com esses dados.


Pergunta 2:

Tenho pensamentos obsessivos terríveis em todos os sentidos. Lutei muito pra achar o remédio que melhorou e muito meu estado. Sofro de TOC. Faço uso de Depakene (Ácido Valpróico) e Paroxetina 40 mg por dia. Tenho muita dificuldade de tomar remédios e às vezes paro.
Dr. Rubens Pitliuk, gostaria de agradecer pelo site que esclarece e ajuda muito quem sofre destas patologias.

Gostaria de conselhos, Dr.!

Poderia contar com o Sr.? Desde já agradeço

Resposta:

Como não conheço teu histórico, não sei por que você toma o Depakene. De qualquer forma, a Paroxetina (Aropax, Paxil CR, Cebrilin, etc.) é muito eficaz no tratamento do TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo).

Mas quando o paciente também apresenta Pensamentos Obsessivos, em geral ele também precisa de Neurolépticos.


Pergunta 3:

Acho que tenho TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). Quando falo acho é porque, diante do que li, tenho manias que sempre prejudicaram minha vida.
Pensamentos absurdos (que tenho medo de falar até para os mais íntimos e ser chamada de louca) pairam na minha mente e ficam ali toda hora.
O tempo todo fico falando internamente comigo e tentando me sair deles, porque tenho plena consciência que são absurdos!
E não consigo! Fico muito, muito nervosa. Fico angustiada e depressiva, porque quando isso me acontece (que eu chamo de crises) eu fico me comparando a antes da crise aparecer (porque até então eu estava muito bem, feliz e alegre com a vida) e isso me mata!

Sou casada e meu marido é simplesmente maravilhoso e não tenho filhos.
Tive esse problema quando eu tinha uns 15 a 16 anos e, novamente, quando já estava na faculdade.
Eu achava um absurdo, porque eu já estava mais consciente da vida, mas tive novamente.

E agora cá estou eu, com pensamentos fixos, sem nexo, sem utilidade nenhuma, irreais e ainda por cima absurdos, chamo até de ignorantes, mas que não consigo tirá-los da mente!

Fica assim: indo e voltando parece que entro e saio da crise a todo o momento no dia e o pior, eu estou ficando doente, pois meu estômago está agindo e estou tendo ânsia de vômitos todos os dias pela manhã a ponto de vomitar a bile!

Tenho medo de enlouquecer. Quando eu não tenho essas bobagens me sinto muito bem e consigo até rir das besteiras que antes pensava (por exemplo, quando eu saí da crise, na época da faculdade).

Só que agora, tá ruim demais. Perdi minha mãe e acho que isso interfere, pois antes ela era a única que me ouvia e consegui me sair disso.

E agora não falo nada com ninguém e acho que estou tendo crises de pânico. Está se desenvolvendo em mim um sentimento diferente, ruim mesmo!
Quando essa crise aparece, vêm sentimentos confusos e eu tenho medo deles.

Acho bobagens, mas não consigo me sair deles. Até o meu sono tá péssimo.
Por causa disso, estou com mania de ficar me observando o tempo todo. E isso influi no meu trabalho, já que dou aulas.
Acabo ficando me observando quando estou explicando um assunto e fica uma coisa de doido. Doutor, me dê uma luz.

Será que eu tenho é TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) mesmo ou estou ficando louca?
Estou perguntando por que eu sou hipocondríaca assumida e tudo que vejo assimilo e acho que estou com esta ou aquela doença.

Resposta:

Esses pensamentos recorrentes, que podem ser Pensamentos Obsessivos do TOC sim, desgastam muito e alimentam mais a Ansiedade e esse Stress trazer outras ocorrências como Pânico, Fobias, Depressão, etc.

Sugiro que você consulte um psiquiatra para ser corretamente diagnosticada e orientada. Psicólogo Juarez Lopes Neto.

8) Transtorno Dismórfico Corporal, Dismorfia Corporal ou Dismorfofobia.

Pergunta 1:

Um fato que me chama a atenção é o que não importa o que eu faça, passe perfume, tome banho cinco vezes ao dia, troque tênis, meias, camisas eu continuo fedendo.
Já falei com meu pai e mãe sobre esse assunto eles me disseram que não sentiram nenhum cheiro ruim, claro quando venho da faculdade ou coisa do tipo. Eles falam que é minha cabeça que estou maluco às vezes concordo outras não.
Sempre quando chego aos lugares com um grupo maior de pessoas fico quieto penso logo se estou com mau cheiro, apesar de quase usar o vidro de perfume todo (tenho um número excessivo deles).

Tenho 18 anos e sou muito tímido. Tenho bons pais apesar do meu ser muito severo, minha mãe é calma e consente bastante com ele. Eu nunca namorei, então nunca beijei na boca. Eu acho que tenho a chamada Fobia Social e ataques de Pânico, muitos dos sintomas eu apresento.
Fico pensando no mau-cheiro com é que estou até chegar em casa e deitar e ficar deitado na cama pensando em como poderia ser até altas horas.

Resposta:

Esse sintoma parece ser um Transtorno Obsessivo Compulsivo chamado de Dismorfia Corporal, mas também pode ser um transtorno psicótico. Ambos precisam e podem ser tratados.

Você é jovem e quando se libertar disso sua qualidade de vida só pode melhorar. Peça para teus pais marcarem um Psiquiatra para você.


Pergunta 2:

Creio que o maior complexo de minha filha é com relação ao seu aspecto físico, ela não possui defeito nenhum, porém é obsessiva quanto aos produtos de beleza em geral e acredita que somente uma cirurgia plástica resolveria esse problema dela de vergonha.
Aos 13 anos não quis ir mais à escola, não sabemos o motivo, se foi alguma briga ou gozação e a partir desse momento tinha que ir arrastada pelo meu pai, porém com pena dela decidiram deixá-la ficar em casa, e assim ficou até hoje. Creio que não deve ser Síndrome do Pânico, ela tem medo de se expor e aparecer na frente de outros ou ser vista por outras pessoas, talvez por algum complexo.

Tem até mesmo medo de ir para a sala onde tem uma janela que dá para a rua com medo de que alguém possa observá-la.
Fora isso seu comportamento é de uma pessoa normal, não é uma pessoa violenta nem nervosa, mas de vez em quando seu comportamento é meio infantil.

Ela sabe que tem esse problema e quer ajuda, porém se recusa a sair de casa para receber algum tipo de tratamento.

Resposta:

Parece se tratar de um Transtorno Dismórfico Corporal, também chamado de Dismorfia Corporal, ou Dismorfofobia mais uma Fobia Social como consequência.

Procure um Psiquiatra e insista que ela vá pelo menos uma vez a uma consulta. Pode ser que, ele explicando que é uma doença que tem tratamento, ela se sinta aliviada e aceite se tratar.
Sei que vocês moram numa cidade pequena com poucos recursos, mas como as consultas serão bem espaçadas, vale a pena viajar um pouco.


Pergunta 3:

Meu filho está tendo umas crises, achando-se feio, todo mundo é mais bonito que ele. Ele acha que o nariz cresceu mais, que é muito baixo e por isso ninguém gosta dele.
Foi diagnosticado com Fobia Social há dois anos. Tomou Aropax por dois anos.
Começou novamente um tratamento só que agora com Fluoxetina. Ele não aceita Psicólogo.

Gostaria de saber se a Fluoxetina vai dar resultado, pois ainda não vi nenhuma melhora. Está tomando 20 mg de manhã, ele tem 18 anos.

Deveria procurar outro médico?

Resposta:

Você não escreveu se ele melhorou com Aropax nem há quanto tempo está tomando Fluoxetina.
Sem uma Psicoterapia, o tratamento fica bem mais difícil.

Mas, o mais importante de tudo, é ver se é mesmo uma Fobia Social ou um Transtorno Dismórfico Corporal, também chamado de Dismorfia Corporal, ou Dismorfofobia, que tem como principais sintomas achar que partes do corpo são feias, desproporcionais, assimétricas, alteradas, grandes ou pequenas demais.

Nesse caso, o tratamento muda.


Pergunta 4:

Tenho 34 anos, sou Fóbico Social desde a adolescência. Nas crises de Ansiedade, tenho fortes contrações no lábio superior. Os músculos dessa região dilatam e minha aparência fica diferente (minha boca fica horrível).
O pior é que acho que isso é percebido pelas pessoas e eu não tenho onde colocar o rosto!

Quero encontrar um buraco para me esconder!
Que remédios o senhor me indicaria para combater essas contrações musculares?

Já tomei: Sertralina (Zoloft, Tolrest, Assert, Serenata), Rivotril, Frontal.
Atualmente tomo Paroxetina, Cloxazolam (Olcadil) e Clomipramina, todos sem obter um resultado positivo que cessassem as contrações.

Que remédios o senhor me indicaria?

Resposta:

Gostaríamos de poder ajudar com uma sugestão de tratamento mais específica, mas por internet infelizmente não é possível.
De qualquer forma, leia a pergunta anterior, sobre Dismorfia Corporal.


Pergunta 5:

Como devo tratar Dismorfofobia?

Resposta:

Dismorfofobia ou Dismorfia Corporal ou Dismorfofobia deve ser tratada como qualquer TOC, ou seja, medicação mais Psicoterapia, geralmente a TCC (Terapia Cognitivo Comportamental) muito importante também.


Pergunta 6:

Tenho 20 anos e desde os 15 tenho um problema que acho incurável: quando me olho no espelho, me enxergo de maneira deformada, meu rosto fica gigante, transfigurado e muitas outras coisas, mas o que vejo deformado é só a imagem do meu rosto, o resto do meu corpo enxergo normalmente.
Isso ocasionou outros problemas, como algumas psicoses. Vivo totalmente paranóico desde então, acho que ninguém gosta de mim, acho que as pessoas têm medo ou nojo de se aproximar de mim, não sei por que, já que sou um cara normal, bonito, mas parece que tudo o que se passa na minha cabeça de ruim acaba mesmo acontecendo.
Já tomei diversos remédios como Zargus (Risperidona), Luvox (Fluvoxamina), etc.

Quando tomava os remédios fiquei melhor no que diz respeito a essas psicoses, mas meu problema quanto ao espelho não melhorou nada.
Procurei esta semana um Neurologista e vou fazer uma Tomografia do Crânio, pois estou preocupado que eu possa até estar com uma doença mais grave, como um tumor cerebral.

Doutor, qual é a sua opinião sobre os meus problemas, o que pode ser isso? O que devo fazer além do que já fiz? Será que preciso de um Neuropsiquiatria?

Resposta:

Nada contra uma investigação neurológica completa, mas isso que você sente pode ser uma Dismorfofobia ou Dismorfia Corporal.

Pela sua visão crítica dos sintomas, não parece ser uma Psicose.


Pergunta 7:

Freqüentemente sinto-me deprimida por achar que estou fedendo, confesso que fiquei um pouco paranóica por causa disso. Isso é uma fobia? Se for, como se chama? Minha preocupação começou depois de um incidente e depois disso fico pensando porque ele aconteceu para saber o motivo e assim resolvê-lo.
Mantenho a higiene em dia, mas eu sempre acho que a minha expiração cheira mal.

Procurei alguns médicos, fiz exames de sangue, fezes e urina- não tenho nada.
Um médico me explicou que quando ficamos muito tempo em jejum, o organismo degrada gordura e proteínas- e a uréia, cetona é que causa um cheiro forte.

Eu quase nunca sinto fome, e ficava longos períodos em jejum. Achei que era esse o motivo. Não era.
Fico frustrada, pois não sei o que fazer. Fico deprimida e evito ficar perto das pessoas, odeio lugares fechados, eu mudei muito.

Tenho certeza que o problema existe, mas não acho o motivo. Estou tão cansada de me preocupar com isso que se eu descobrisse agora que tenho câncer ficaria feliz, porque pelo menos eu saberia o que há de errado comigo.
Nos próximos dias vou tirar as amígdalas- o médico disse que elas são grandes e perfuradas, podem reter algum alimento e causar mau cheiro.

Esse receio realmente está realmente me prejudicando.

Resposta:

Não posso afirmar sem te conhecer, mas existe um quadro chamado de um Transtorno Dismórfico Corporal, também chamado de Dismorfia Corporal, ou Dismorfofobia, que tem tratamento.

Também existe uma doença chamada Esquizofrenia Cenestopática, que também tem tratamento.

9) Tentei todas as formas de controlar as manias, consigo apenas amenizá-las.

Pergunta 1:

Bom dia, eu fui diagnosticada com a Síndrome de PICA, pois adoro comer cola e derivados de plástico ou silicone. Mas o motivo da minha mensagem é outro, apesar de não saber se existe relação.

Eu tenho uma ENORME agonia por tocar em tecidos finos, cabo de vassoura. Não sei explicar, mas é como se esse material entrasse dentro das minhas digitais e me agoniasse muito! Para varrer a casa, ou uso luvas ou tenho que molhar a mão em água bem fria. Sinto enorme agonia quando toco em tecidos de textura finas, lençóis finos e roupas de Poliéster.

Resposta:

Como você aprendeu nesses anos todos, é extremamente difícil tratar Síndrome de Pica. Mas os sintomas que você descreve talvez sejam de TOC, que é bem menos difícil de tratar.
Provavelmente teu Psiquiatra irá tratar como TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) e vãos esperar que a Síndrome de Pica pelo menor melhore um pouco. Gostaria de saber que tratamentos você já fez para a Síndrome de Pica.


Pergunta 2:

Tenho certeza que tenho Transtorno Obsessivo Compulsivo desde os 11 anos de idade. Começou com pequenos rituais de ir e voltar e hoje atrapalha significativamente minha vida. Tenho que fazer as coisas diversas vezes temendo que algo aconteça se não as fizer.

Quando não faço tais rituais fico realmente muito nervoso atrapalhando significativamente minha capacidade de atenção e habilidade para trabalhar.

Fora isso (que e muito) sou uma pessoa sem nenhum outro problema psicológico.
Fiz um tratamento psicológico por 6 meses mas de nada adiantou ...

Vi realmente que a psicologia tradicional não costuma resolver o problema e que existe um tipo de tratamento específico para o caso.

Nunca fiz tratamento nenhum com medicamentos ...
Vi que a principal causa desse distúrbio e a falta de um neurotransmissor chamado de Serotonina.

Pesquisei os remédios para suprir esse déficit e encontrei dois que acho que devo tomar, pois já tentei todas as formas de controlar as manias que tenho consigo apenas amenizá-las mas não acabar com elas e, as vezes, nem amenizá-las consigo.

Os remédios são o Aropax 20 e o Paxil.

Gostaria também de saber se os efeitos colaterais são graves quando se toma tais remédios, pois apesar de já ter lido a bula do Aropax 20 queria ouvir uma opinião sobre o assunto.
Li que o principal efeito colateral deste remédio e o retardo da ejaculação, o que para mim só traria vantagens visto que já sofri de ejaculação precoce, e não me considero completamente satisfeito com o tempo de latência que tenho.

Finalmente, se possível gostaria de saber como faço para obter um exame sobre a quantidade de serotonina que tenho para ver se realmente tenho déficit dessa substância.

Resposta:

Dosar serotonina não tem nenhuma utilidade.

Como você percebeu, tratamento psicológico não ajuda muito, a não ser que seja feito por um Terapeuta Comportamental muito experiente em TOC.

Ficar lendo bulas de remédios e procurando efeitos colaterais só irá atrasar seu tratamento (que já é demorado).

Antidepressivos são dos remédios mais seguros que existem.
As bulas nem sempre são escritas por médicos, muitas vezes elas têm participação do Departamento Jurídico do laboratório, de modo que elas contém todos os efeitos colaterais que existem e podem um dia vir a existir em todos os órgãos do organismo.

Milhões de pessoas em todo o mundo tratam o TOC com antidepressivos e Neurolépticos e ficam boas.


Pergunta 3:

Pode uma pessoa ter uma nuance de Depressão e outra doença como Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC)?

Como eu posso me certificar que eu sou normal, porque com tudo que li nesta homepage fiquei confuso.
Meu Analista segue a linha Lacaniana e fez pós-graduação em Neuropsicologia, ele é uma pessoa indicada para me ajudar?

Resposta:

Na verdade quase todas as pessoas que sofrem de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) podem passar por fases de Depressão.
Não significa duas doenças na mesma pessoa.

Por outro lado, muitas pessoas que sofrem de Depressão costuma ter personalidade obsessiva no sentido de perfeccionismo exagerado, o que também não significa duas doenças (Depressão e TOC).
Com certeza você é normal. Depressão e TOC são doenças que acometem pessoas normais.
O tratamento deve ser focado no quadro mais difícil de tratar, no caso, o TOC.
Como o TOC pode ser tratado com Antidepressivos e Neurolépticos, provavelmente para você Antidepressivos serão mais indicados.

10) Mesmo quando não quero obedecer meu TOC acabo obedecendo

Pergunta 1:

Fui diagnosticado de TOC desde criança, mas não é isso que mais me incomoda hoje em dia, nem a depressão causada por não suportar o TOC, e sim sentimentos ou sintomas dos quais nunca ouvi falar a respeito que tentarei explicar com a maior fidelidade. Quando começa a nascer em mim um sentimento de satisfação, vem um bloqueio mental que me causa muito desconforto como, por exemplo, quando começo a gostar de estar escrevendo algo qualquer, é como se, aquilo fosse ruim para minha saúde e meu próprio corpo mandasse uma "resposta" ou "reação" para aquela satisfação parar abruptamente!

Também não consigo focar em nada e quando tento, sinto um desconforto e um mal estar muito grande que são tão constantes que já desisti de tentar focar nas minhas aulas, por exemplo:

Sinto um desconforto no lado esquerdo do corpo e algumas manifestações físicas como o lado esquerdo do pescoço repuxar!
Quando estou lendo e passa alguma informação na minha cabeça ela estala algumas vezes rapidamente, e, às vezes sinto minha cabeça ser enxaguada por um líquido frio, ou começar a pulsar, me dando alívio, como se estivesse se desprendendo de algo.

Meu modo de ver a vida muda a cada dia um pouco, o que me deixa perplexo, é como se meu cérebro descobrisse novamente algumas coisas que já sabia.
Não devo ter colocado tudo, mas com o que apresentei gostaria de uma luz, um parecer que possa me mostrar que existe pessoa que sabe o que está acontecendo.

Tomo por dia 3 comprimidos de 100 mg de Luvox, 2 de Trileptal 300 mg, 250 mg de Socian e 3600 mg de N-Acetilcisteína.
Já tive episódios psicóticos por pouco tempo, fui diagnosticado com Despersonalização, TOC e Depressão, além de Bipolaridade tipo 3. Por favor, peço retorno dessa mensagem.

Muito obrigado e parabéns pela iniciativa e dedicação no site!

Resposta:

Esses pensamentos intrusivos se chamam Pensamentos Obsessivos, como você já deve saber, e fazem parte do TOC.

Essas sensações físicas são muito difíceis de tratar.
Se teu Psiquiatra está te administrando N-Acetilcisteína, imagino que ele seja muito experiente, pois poucos médicos conhecem esse tratamento.

Não sei que neurolépticos e Antidepressivos você tomou antes do Luvox e do Socian, mas eu tentaria um por um até achar aquele que combate bem esses sintomas.
Os pacientes perguntam “então vamos ter que fazer experiências?”. Minha reposta é: ainda bem que existem muitas possibilidades de tratamento para experimentar até achar aquela ideal para você.


Pergunta 2:

Confio no meu psiquiatra mas tenho uma dúvida.
Tenho 25 anos. Estou fazendo um tratamento de depressão há cerca de 15 dias com Fluoxetina e Frontal.

Ontem durante essa conversa eu comentei de alguns hábitos repetitivos ou manias que já existiam antes da crise depressiva e que persistem hoje.
Arrumo o quarto sempre na mesma ordem.

Durmo na mesma posição (mesmo que essa não seja a mais confortável)
Manias alimentares.

Eu só como determinadas coisas, em determinados horários.
Por exemplo, eu só como pão integral e quando eu como, eu corto a fatia que eu vou comer em seis pedaços mais ou menos do mesmo tamanho, e como numa determinada sequência. Sempre.

Quando eu vou almoçar, eu começo pelo tomate, que é cortado em pedaços minúsculos e vou seguindo sempre a mesma ordem.
Dobrar as cobertas sempre na mesma ordem... Esse tipo de coisa.
Esses são alguns exemplos.

Essas manias começaram há uns dois anos atrás quando eu comecei um regime alimentar. Eu pesava 61 kg e hoje eu estou com 41.
As manias acabaram saindo da dieta e foram para o resto das coisas.
Eu não acho que se eu não seguir esses rituais eu ou alguém vai morrer.
Mas eu já percebi que mesmo quando eu quero não fazê-los, eu faço assim mesmo.
Eles de certo modo me controlam.

Só que ontem como eu estava muito nervosa eu não consegui descrever isso tudo para o meu psiquiatra. Isso é TOC?

Tem alguma coisa relacionado com meu quadro depressivo?

Perdoe-me o e-mail gigantesco, mas gostaria também de agradecer muito, muito mesmo, vocês pela manutenção desse site.

Ele tem me ajudado enormemente. Agora eu tenho esperança de melhorar, graças ao trabalho de vocês.
Acabei de me lembrar: sobre a questão do TOC, eu tenho roído as unhas desde os seis anos de idade, e quando eu li sobre manias de comer as pontas dos dedos, comprar compulsivamente, tiques nervosos, eu percebi que uma grande parcela da minha família materna apresenta um desses sintomas.
Inclusive a minha mãe (que também faz tratamento de depressão há mais de um ano, com Verotina) isso é genético, ou é só coincidência?

Resposta:

Muito interessante. O problema é que seu problema principal é o TOC desde criança. Quem tem TOC está sujeito a ter depressões mesmo.
Só que o foco principal do tratamento deve ser o TOC, que é mais difícil de tratar do que a Depressão.

A Fluoxetina pode até ser uma das opções terapêuticas, mas em doses bem maiores que na Depressão.
Com relação à sua mãe ter os mesmos sintomas, não é coincidência não. Existem alguns fatores genéticos, mas que fique bem claro que nem todos os familiares sofrerão dessa doença.

11) Tratamento de TOC com manias de contaminação

Pergunta 1:

Ela tem, porém os outros sintomas que ela apresenta são os de nojo de tocar em pessoas ou até mesmo em objetos que em algum momento foram colocados ou até mesmo encostados no chão, mesmo que o objeto não tenha sido realmente encostado ela sente nojo dele e fica com medo de se encostar.

Se algo cai no chão ela não o junta de maneira alguma, sente nojo de tocar nos pés, de sentar em bancos.
Estes nojos se abrangem a partir do momento em que a pessoa ou o objeto for encostado em outro local ou pessoa, quando ela não consegue evitar acaba tendo que tomar banhos muito demorados para limpar-se. Em nenhum instante vi tremores, batimentos cardíacos acelerados ou Pânico nestes momentos, ela simplesmente não deixa que eu a toque e espera chegar em casa para tomar banho.

Ela possui, segundo os dados obtidos no site, sintomas parecidos com o da Fobia Social. Eu digo parecido, pois o retraimento, a exclusão, o medo de ir a certos lugares, como o centro da cidade, e de passar por locais muito estreitos.

Resposta:

Esse quadro sugere muito mais um Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) com rituais obsessivos decorrentes do medo de contaminação do que Fobia Social. Pelo que você escreve, ela tem, além do TOC de contaminação, sintomas de Ansiedade e Claustrofobia em determinadas situações.


Pergunta 2:

Aos 17 anos comecei a ter medo de dormir e morrer, de ter tomado remédio, de me contaminar com qualquer sujeira, de pegar AIDS ou outras doenças. Se eu apagasse o caderno tinha medo daquele pó solto pela borracha vir no meu nariz e eu aspirá-lo para o meu pulmão e morrer, tinha vários tiques.

Só confiava em minha mãe. Tinha alguns pensamentos suicidas e medo de morrer ao mesmo tempo.
Via meus pais deitados, imaginava-os dentro de um caixão com algodões nas narinas, não queria pensar naquilo, mas meus pensamentos eram mais fortes.

Primeiramente fui a uma Psicóloga, ela não diagnosticou o que eu tinha, me passou uns Antidepressivos (Kawa Kawa), mas de nada adiantou.

Depois fui a um terapeuta, comecei fazer Reiki, as seções me ajudavam muito, mas logo voltavam os transtornos e obsessões.
Finalmente fui a um Psiquiatra, ele logo de cara fez o diagnóstico: sabe o que você tem? TOC.
Me receitou Cloridrato de Sertralina. Comecei tomar e após duas semanas já comecei ter alguns sinais de melhora.

Continuei o tratamento por aproximadamente 8 meses, ainda tinha medo de dormir e morrer, tinha que ficar na cama esperando mais ou menos 1 hora para ter certeza que não tinha tomado nenhum tipo de medicamento.

Mesmo assim após esses oito meses interrompi o tratamento por conta própria.
Após quarto meses sem tratamento começaram voltar as obsessões e os pensamentos suicidas.
Voltei ao médico e recomecei o tratamento, já faz mais de um ano que estou tratando novamente.
Hoje tenho 19 anos e ainda tenho algumas obsessões, mas consigo controlá-las e levo uma vida normal.
Perguntei ao meu médico quanto tempo ainda vou ter que continuar o tratamento e ele disse que não sabia.

Quanto tempo você acha que pode durar este tratamento de acordo com esse depoimento?
Para outras pessoas que estão começando o tratamento agora, não desistam vão até o fim que vale a pena! Hoje eu levo uma vida normal!

Abraço e parabéns pelo site!!! Por favor, envie a resposta ao meu e-mail. Obrigado!

Resposta:

Parabéns por ter insistido no tratamento. Tente acabar com esse TOC que te trazia Pensamentos Obsessivos inclusive de contaminação.
Os sintomas que sobraram provavelmente passarão com ajuste de dose ou com acréscimo de outro medicamento ou com TCC (Terapia Cognitivo Comportamental).

Quanto tempo você vai precisar os remédios não se sabe, mas é por vários anos. O importante é que você leva uma vida normal.


Pergunta 3:

Eu posso ter TOC com apenas um sintoma? Tenho 15 anos e há mais de um ano eu evito tocar em objetos, até em pessoas, porque eu acho que estão sujos. Lavo as mãos muitas vezes ao dia, limpo a roupa, a parte do corpo e os objetos onde os outros encostam.

Não é com todos e nem tudo, já tentei parar, mas não consigo. Se for TOC que especialista eu devo procurar?

Resposta:

Pode ser sim um TOC de contaminação. Esse medo de contaminação é um sintoma importante e muito freqüente no TOC. Peça para teus pais te levarem num Psiquiatra.


Pergunta 4:

Sei que me pediram pra não escrever muito, mas não teve jeito. Não precisam publicar, só me respondam. Obrigada. Assistindo a uma matéria na TV, fiquei pensando nas minhas manias e o quanto elas me incomodam. Gostaria de saber se isso é TOC ou apenas manias mesmo.

São elas: odeio amarelo, pois acho que esta cor representa desespero, por isso já joguei fora um copo plástico que tinha em casa.
Na minha gaveta da cozinha tenho colherinhas azuis e amarelas, só consigo utilizar as azuis.

Quando lavo louça, começo lavando uma peça, mas na hora de enxaguar começo pela última peça que ensaboei, pois acho que os últimos serão os primeiros.
Já faz algum tempo comecei a lavar as mãos várias vezes (não muitas) por dia utilizando o sabonete Protex para matar as bactérias. Mas isso já não acontece.

Olho placas de carro com números iguais: por exemplo, 55 = ele me ama, 33 = ilusão e fico olhando cada vez que ando na rua, mas não é repetidamente, mas sempre olho.
Quando o número é bom eu fico boa, mas se o número não é bom como o 33, fico muito ruim.

Também não gosto de ver este número em outros lugares como horas (18:33). Gosto das coisas bonitas e de cores alegres.
Meu namorado me leva para almoçar ou jantar, se o lugar não for do jeito que eu gosto, vou achar que a comida é ruim, e ela acaba sendo, mas só pra mim, meu namorado sempre acha que está boa.
Também acho que muitos lugares (restaurante e bares) não são higiênicos o bastante e aí não quero comer nesses ambientes.
O que está mais me incomodando é o pensamento sobre cobras (só de escrever já me sinto mal). Acho que cobra representa traição. Tenho namorado e sempre que vejo cobra na TV ou na Internet, tenho o pensamento que ele está me traindo.

Se eu sonho com este bicho então (como esta noite), acordo na madrugada e não consigo dormir.
Cheguei a enviar um e-mail para a TV Record, para que eles mudassem as matérias daquele rapaz Richard do Domingo Espetacular, pois ele só mostra cobras, e eu tenho que mudar o canal cada vez que as imagens aparecem.

Não recebi resposta, óbvio. Já contei para algumas pessoas, mas achei que era normal, ate dei risada, mas depois da reportagem me assustei um pouco. Obrigada pela atenção e aguardo breve retorno.

Resposta:

Olá Eliane, você precisa ir a um psiquiatra e tratar esse TOC. Um dos critérios mais importantes para classificar um TOC não é a gravidade dos sintomas, mas sim quanto tempo u=o paciente perde na vida executando os rituais ou controlando os Pensamentos Obsessivos.
Você já parou para pensar quanto tempo e energia esse TOC te consome?

© 2020 por mentalhelp